domingo, 20 de março de 2011

O espetáculo da subalternidade

Toda a preparação oficial e a euforia dos meios de comunicação dominantes em nossa sociedade, diante da visita do “mandatário” imperial (que não manda nada), nos oferece um panorama constrangedor. Políticos historicamente alinhados aos interesses econômicos estadunidenses e outros nem tanto, prestam vassalagem ao poder das empresas multinacionais, simbolizados na figura da marionete e sua família, que fazem, simbolicamente, uma visita “familiar” à casa dos “amigos”. Posso ver, no escuro atrás e acima dessas figuras cênicas, as garras dos seus manipuladores, a partir das mega-petroleiras e de outras indústrias, como a de armamentos, a farmacêutica, a de alimentos transgênicos (leia-se “monopólios de sementes e alimentos”), etc.

Somos obrigados a assistir um show de idolatria planejada, de sujeição moral e ideológica à tirania mundial das grande empresas mundiais, poluidoras constantes e violadoras dos direitos humanos e de soberanias em países no mundo inteiro, através da bajulação do seu preposto e família.

Seria cômico, se não fosse trágico (devido à desinstrução e desinformação planejadas), ver esses jornalistas corruptos abanando os rabinhos, histéricos como cães à chegada do seu dono, fazendo-nos ouvir disparates como “neste dia tão especial dessa visita” e a referência ao motivo principal como “o lado empresarial da visita”, divulgando o cardápio do almoço com a presidente (eu escreveria “presidenta” se o masculino fosse “presidento”), comentando os vestidos e salamaleques rocambolescos nos palácios, longe do “fedor” do povo, nas cortes de ostentação e desperdício, de sujeição cultural e econômica.

É óbvio que o motivo principal e mal disfarçado dessa incursão “diplomática” é o mesmo que levou o império a invadir ilegalmente o Iraque e armar um furdunço do Oriente Médio. Petróleo. As jazidas do pré-sal, ainda não inteiramente divulgadas, apontam pra uma quantidade de óleo três vezes maior que todas as reservas brasileiras e de melhor qualidade. Um amigo petroleiro, que trabalha numa plataforma em alto mar, próximo ao litoral de Santos, há dois anos, contou ver a passagem diária de navios da 4ª Frota dos USA, desde que se descobriu o pré-sal e se reativou essa frota. A onda que invadiu a baía de Guanabara e danificou um catamarã, segundo consta, foi fruto de uma explosão de teste, feita no fundo do mar a partir de um porta-aviões estadunidense.

Os pretextos da “visita diplomática” e sua encenação midiática são uma afronta aos que pensam por si, nessa coletividade narcotizada por obra e graça da mídia, que conta com a política da deseducação para encontrar um povo desarmado de senso crítico. O Estado brasileiro é como um criminoso que mantém seu povo refém da ignorância e entregue aos manipuladores da opinião pública, altamente capacitados e remunerados. Ricos de grana, pobres de espírito. Onde está a dignidade de quem bajula os opressores de seu próprio povo?

O estupro da Cinelândia pôde ser evitado, não pelo discernimento das autoridades locais, eufóricas com a oportunidade de paparicar o "imperador", mas pela própria segurança estrangeira que, diante das reações nas ruas, percebeu que isso ia dar merda e que eles se arriscariam a matar alguns brasileiros, o que, no momento, não seria aconselhável, pois desmascararia a própria “visita diplomática para o estreitamento dos laços entre os dois países (Brasil e USA)”. Na verdade, os laços que eles pretendem apertar estão nos nossos pescoços brasileiros e, por extensão, latinoamericanos. E eles preferem matar no atacado, com alta tecnologia, do que no varejo, em denunciador conflito de rua num país dito "amigo". Os assassinatos de varejo seletivo são trabalho para a CIA, como fizeram com os cientistas nucleares iranianos, pela sucursal da CIA, o MOSSAD israelense.

Diante desse quadro, ainda temos a lastimar que os “nossos” revolucionários também são estrangeiristas que pretendem aplicar, aqui, modelos estrangeiros de revolução. Leninistas, trotskistas, stalinistas e demais marxistas têm, pelo brasileiro comum, o mesmo desprezo dos imperialistas. Caem na vala comum de responsabilizar as vítimas pela ignorância e desinteresse, pretendem “conduzir as massas”, como quem entrega pizzas, e não fazem nenhum movimento de real conscientização do povo. Têm medo de entrar nas áreas de exclusão, a não ser através de lideranças cooptadas por suas siglas e, absurdo dos absurdos, usam roupas, tênis e bolsas de marca. Que tipo de “revolucionário” é esse? Respondo: é do tipo vazio de substância e cheio de vaidades – almeja apenas a glória entre seus pares, que nem falar a linguagem da população sabem. Esses caras mais assustam do que cativam a população. E acabam, em seus arroubos agressivos, justificando o desenvolvimento e o recrudescimento dos aparelhos de segurança do Estado contra o povo, principalmente os pobres. Facilitam o trabalho da mídia em criminalizar os movimentos de contestação, reivindicação, denúncia ou defesa da maioria. O sistema adora esses "revolucionários" que, além de justificar medidas de contenção, ajudam a montar um cenário "democrático". Em Cuba eles não teriam essa liberdade, dizem os pilantras, os elitistas e os ingênuos que se informam pela mídia. Se não fosse uma auto-denúncia, agradeceriam a esse bando de otários, digo, a esses "revolucionários".

O lamentável espetáculo da subalternidade dos “dirigentes” e “comunicadores” da nossa sociedade me faz agradecer à pereba na perna e à encomenda de uma pintura (num momento em que estou em dificuldades) que, juntos, me fizeram desisitir de ir lá na Cinelância, assistir aos acontecimentos ofensivos à dignidade do meu país. Faltasse um dos dois e eu teria ido. Claro que eu teria me divertido, encontraria conhecidos velhos de guerra e distribuiria cartazes manifestando repúdio, tanto à visita da marionete quanto à posição colonizada dos pretensos representantes da sociedade. Mas, com certeza, na reflexão forçada pela travessia das barcas, choraria de tristeza.

17 comentários:

  1. oi!
    Mais uma vez, concordo com seu artigo que só fala a realidade.
    endeusam Obama como se ele fosse um verdadeiro Deus, nao se fala em outra coisa na midia, cm se o Brasil nao tivesse tantos problemas para se preucupar.
    Num passado nem tão distante como o da Ditadura Militar podemos perceber como o Brasil sofreu com a manipulação dos EUA, e hoje não está difernte. Infelizmente!

    ResponderExcluir
  2. Eduardo, são cegos (quase)eternos essas pessoas, como disse o amigo acima, endeusadoras de Obama. Eu procuro, portanto, me orientar de uma forma mais clara, quase transparente se colocada perto da ''orientação'' dada pela mídia.
    Chega de tanta mentira e de ver o nosso povo ser enganado constantemente.

    ResponderExcluir
  3. Oi Eduardo.

    Qual foi a real intenção de Obama ? Seria declarar guerra a Líbia aqui do nosso território! De qqr forma, a vinda dele não é boa coisa, talvezo nós e a Venezuela sejamos as próximas vítimas. Os ministros e empresários brasileiros foram obrigados a tirarem os sapatos, até os carros da polícia federal foram revistados pela CIA enquanto isso dá-lhe BBB.
    Ótima postagem Obama esse ser desprezível
    http://www.estadoanarquista.org/blog/?p=8373

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto...
    O Brasil precisa mesmo de uma revolução, mas uma que seja inteligente, não essas que aparecem com vândalos queimando ônibus e depois baixam a cabeça a troco de miséria. Graças a Deus o absurdo do "espetáculo" que seria promovido na Cinelândia foi cancelado, mas ainda sim a maioria do povo brasileiro faz questão do não pensar e bate palmas pra qualquer um que aparece aqui. Precisamos de cabeças pensantes e não alienadas isso até revolta, ligar a televisão e ver um povo do qual você faz parte bajulando uma marionete sem nem fazer questão de se perguntar o porque disso tudo.

    ResponderExcluir
  5. E a população carente da Cidade de Deus extremamente feliz porque conheceu o tal. Ricos humilham os pobres, e os pobres humilham outros pobres para enaltecerem os ricos.

    ResponderExcluir
  6. Diante desse quadro, ainda temos a lastimar que os “nossos” revolucionários também são estrangeiristas que pretendem aplicar, aqui, modelos estrangeiros de revolução. Leninistas, trotskistas, stalinistas e demais marxistas têm, pelo brasileiro comum, o mesmo desprezo dos imperialistas
    -----------------------------
    Verdade!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Uma mente livre escreve, outra mente presa acha genial.

    Alexandre élis


    me visite.

    ResponderExcluir
  9. É preciso vivência, experiências e aprendizados que venham pelo amor ou pela dor para se desenvolver a consciência. O povo cego segue aqueles que acham que lhes indica a luz, não percebem que na verdade o caminho é das trevas.
    Tudo a seu tempo. Tempo de plantio, tempo da colheita. Entre um e outro se tem o tempo de espera, de dúvidas, de sonhos e ilusões. Somos os responsáveis pelo trabalho e pelos frutos obtidos, disto não poderemos escapar.
    Adoro seus posts, cosmoéticamente corretos.
    Parabéns pelo compartilhamento.

    ResponderExcluir
  10. Excelente texto, Eduardo.
    Obama é a face mais perigosa que o Imperialismo estadunidense poderia arranjar. Ele é "simpático" e é o 1º negro presidente dos EUA. Ele é importante para dar ao capitalismo/imperialismo uma face conciliadora e "agradável". Infelizmente, nem todos conseguem perceber o que está por trás deste contexto.

    ResponderExcluir
  11. Eu não tenho o que falar do Obama, só temo pelo que ele representa.

    Ótimo como sempre, Eduardo.

    ResponderExcluir
  12. Muito bom o seu texto. Essa visita do Obama foi ridicula, ele tava se esforçando ao maximo pra bajular a gente de qualquer forma, citações de paulo coelho, vasco e botafogo e bla bla bla, e consegue passar imagem boa pq tem esse dom, e veio defender apenas seus proprios interesses.

    ResponderExcluir
  13. Correção - veio defender os interesses dos seus patrões, os financiadores de campanhas, os condicionadores do poder visível, o poder invisível do mundo, os mega-endinheirados das transnacionais.

    ResponderExcluir
  14. Entendo sua crítica aos revolucionários marxistas, que segundo você informa é uma revolução estrangeira. No entanto, como apontava Marx, o capitalismo causa opressão em todo mundo, de uma forma ou de outra, cabe aos respectivos revolucionários locais, encaixarem a teoria do comunismo com a realidade do país, precisa-se ser uma revolução internacional, se for uma idealização estrangeira à parte, observando que o capitalismo também, sem nenhuma dúvida, infectou nosso Estado que nunca foi nação para o povo! Devo apontar que o brasileiro, o povo, o trabalhador, jamais teve nacionalidade, jamais! Por que? Ora, o povo brasileiro em nada se participou dos eventos mais importantes da história do país; A independência do Brasil, que foi intermediada por burgueses da época; A PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA DO BRASIL, que foi mais uma conquista dos burgueses capitalistas, baseando-a no LIBERALISMO, e mantido durante todas as revoluções até então. Nós não fizemos à merecer um Estado justo e digno, porque nossos ancestrais se calaram invés de protestar, isso os transformou em covardes, essa covardia, pelo jeito, foi passada de geração em geração!
    Se queremos um país justo, livre da classe dominante, dessa hipocrisia toda que está desfarçada de democracia, devemos tomar nós mesmos, trabalhadores, o Estado e implantarmos a Ditadura Proletariada! Entendo que a ESQUERDA não está falando a língua do povo, não conseguem infiltrar-se, ganhar corpo entre o povo como faz a DIREITA ELITISTA, não estão se entendendo com o povo, e cai entre nós, esses partidos comunistas e socialistas do Brasil, não estão com nada, são reacionários, fizeram um acordo com a DIREITA, estão completamente conformados, isso é errado!
    A Teoria Científica de Marx, anexada com um toque realista da verdadeira situação do proletariado no Brasil, tenho certeza que será a salvação do Brasil, do mundo, porque todas as revoluções comunistas só no ambito nacional, fracassaram! Viva o Comunismo, porventura abrirmos mão dessa arma do povo, o Comunismo, não vejo outra alternativa, não vejo esperanças para o povo oprimido do Brasil!
    O POVO NO PODER!!! VIVA O COMUNISMO!!!

    ResponderExcluir
  15. Mais uma coisa Eduardo, se possível faça uma postagem sobre o caso da LÍBIA, onde KADAFI afirma que tudo é armação, e a grande mídia, porta-voz oficial do IMPÉRIO ESTADUNIDENSE, parece-me que está ocultando verdades e pretenciosamente, afirmando "fatos". Não confio na mídia, no entanto os intelectuais, principalmente DEMÉTRIO MAGNOLI, já li todos os livros dele, os intelectuais estão ganhando espaço na mídia, na GLOBO para ser mais exato, e DEMÉTRIO defende a postura de OBAMA e da OTAN, POR NÃO ACREDITAR NA MÍDIA, DESCONFIO DO DEMÉTRIO, PELO MENOS SOBRE ESSE TEMA. QUERIA SABER SUA OPINIÃO SE POSSIVEL!!!
    ATÉ MAIS!!!

    ResponderExcluir
  16. POR QUE A MÍDIA ESTÁ INSSISTINDO TANTO NO ASSUNTO "LÍBIA"?? O QUE OS BURGUESES QUE DOMINAM A MÍDIA QUEREM??
    ESPERO RESPOSTAS EDUARDO, ESTOU ACOMPANHANDO!!
    ATÉ PARCEIRO!!!

    ResponderExcluir
  17. Eduardo, que prazer imenso ter te conhecido pessoalmente, sua palestra aqui na Unesc - Criciuma SC. foi realmnte sensacional e será um grande marco na sua vida, espero que ela não mude o seu jeito de ser e pensar, nois mero mortais só nos resta Observar e Absorver, um grande abraço do seu amigo josé e esposa Ení os pais do Lucas.

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.