segunda-feira, 9 de julho de 2012

TEDxCanoas - Eduardo Marinho - O que a razão não alcança

Canoas, vizinha a Porto Alegre. Fui de trem. Da estação tomei um ônibus que me deixou lá em menos de dez minutos. Depois voltei andando pra estação, mas errei o caminho, cheguei numa estação mais distante uns dois quilômetros e acabei dando uma boa volta por aquela área da cidade, enquanto o sol morria no horizonte.


16 comentários:

  1. Meu,
    Quando tu teve aqui na minha cidade ? quando foi esse evento ?

    ResponderExcluir
  2. Eduardo, espero que tu voltes aos pampas em breve. Acabo de ler teu livro nesse momento e o impacto dele é precioso, reaviva todas as esperanças de justiça e na nossa capacidade de ver em cada ser humano a possibilidade da sua realização. Muito bonito, traz a beleza da simplicidade. Adorável... vou incorporar algumas reflexões ao meu trabalho. Gostaria de conversar contigo com mais calma, um dia, sobre as preciosidades escondidas no cascalho e no barro da academia... têm muito mais coisas amorosas e conscientes do que pode parecer. Falo de dentro dela, e considere que eu também sou forte crítica dos seus processos, da absurda lógica produtivista que tomou conta dela... enfim, assunto pra uma prosa interessante, tomando um mate ou uma cerveja Coruja (cerveja artesanal feita aqui e que é uma delícia!). Grande abraço, irmão, já me sinto tua irmã pois comungo de tua cosmovisão, e de muitas das tuas experiências. Marília (que comprou teu livro no sábado passado, em Santa Teresa).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há exceções, em todos os lugares. Inclusive na academia, eu sei, como sei da discriminação interna que acontece. Mesmo a diferença de valor entre a extensão e a pesquisa dá na cara. Os mais humanos se preocupam com a coletividade humana e são discriminados por isso, diretamente ou de certa forma. Mas nada disso afeta a realidade. É o que interessa e não o que se pensa ou diz a nosso respeito, a realidade se impõe. Dar importância a isso é desviar o caminho.
      Somos irmãos na caminhada. Grande abraço.

      Excluir
  3. Eduardo, sinceramente falando, gosto muito de você, de sua maneira de pensar, agir e falar porque no fundo, no fundo, você me faz lembrar... de mim.

    ResponderExcluir
  4. Onde tu estava? Quem é tu? Uma luz no fim no túnel...? Mil vezes obrigada por existir e por inspirar meus pensamentos...parabéns Eduardo, sinceramente, nunca ví e ouví tanta sabedoria mesmo sendo "obviedades"...estou fanaticamente vidrada nos teus vídeos e nas tuas palavras. Obrigada.

    ResponderExcluir
  5. Quanta sabedoria, muito obrigado pela lição de vida Eduardo Marinho, sou de Brasilia como que faço pra comprar seu livro? Estou realmente impressionado com a sua coragem, com seu desapego e com as sacadas que vc tem, sem palavras... no meio de tanta distorção de valores, o que a gente precisa é de mais pessoas como você urgentemente, e da mesma forma que voce falou e deixou claro que percebe valores incríveis nas vivencias dos mais pobres, eu percebi uma alma nobre na sua história. Muita luz na sua caminhada. vamo que vamo!!

    ResponderExcluir
  6. Eduardo, só uma pergunta...

    você tem alguma influência de Thoreau? Acabo de ler "Walden", talvez um dos principais escritos de Thoreau. Acompanho seu blog, seus videos e tenho seu livro. Admiro seu pensamento e visão, até posso me atrever a dizer que conheço. Senti um pouco de influência de Thoreau, que também influenciou Gandhi, Tolstoi e até mesmo outros mochileiros mundo a fora.

    Continue seu trabalho de reflexão, aprendo muito por aqui.

    Abração, Eduardo.

    ResponderExcluir
  7. Não sei que influências tenho. Acho que agi intuitivamente, movido por inquietações internas diante da realidade que me cercava - e cerca. Senti que estava sendo, de alguma forma, enganado. As propostas de vida não satisfaziam e eu saí atrás do que estava escondido, de entendimento, de algum sentido mais real na vida. Turô eu conheci muito depois. Gandhi eu já conhecia e admirava. Talvez haja alguma influência, mas a mim parecia que era só a vida que me angustiava, a falsidade dos privilégios, a desumanidade da estrutura social. A vida, como é apresentada, não faz sentido, pra mim. Somos acorrentados por mentiras, condicionamentos e distorções.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo. Realmente é intuitivo, já que você se questionava desde a infância. Creio que, mais ou menos, você, Thoreau, Gandhi e alguns outros que ao menos questionem a ordem vigente são movidos por essa intuição. Se no meio que vivemos somos repelidos por um pensamento questionador, por vezes encontramos a mesma linha de pensamento na literatura. Alguns, como você, já nascem assim, outros "despertam", digamos assim, através do contado com o trabalho de pessoas como você.

      Obrigado pela atenção, Eduardo.

      Excluir
  8. A clareza com que você transmite suas experiências é alcançada por todos que te assistem. A iluminação trazida pelo seu depoimento nos faz ter uma visão melhor da sociedade em que vivemos. É fácil perceber, na beleza dessas palavras a completa intuição que você desenvolveu. Podemos fazer um comparativo entre aqueles a quem você se dirige, que tiveram bloqueado o desenvolvimento racional e que acabaram potencializando o lado intuitivo enxergando justamente "aquilo que a razão não alcança", e aquela pessoa que é deixada "fora" de um jogo - qualquer jogo - que ela tenha pelo menos um conhecimento básico sobre ele (jogo), apenas observando esse jogo que é jogado e articulado pelos outros, essa pessoa, expectadora, consegue enxergar além do que está sendo jogado, e em sua grande maioria, consegue enxergar melhor do que os próprios jogadores, ou seja, aqueles que são deixados a margem da sociedade, tendem a criar também, uma visão mais pura, intuitiva, afastada, não vilipendiada ou induzida, e que muito provavelmente, é melhor do que a visão dos próprios jogadores dessa sociedade. E você fala isso com muita propriedade. Parabéns! Por tudo! Pela coragem, pela determinação, pela renúncia, mas principalmente, por não ser só mais um. São de Brasileiros como você que o nosso país sente falta e precisa muito. São iluminados iluminadores como você, que potencializam a luz que tem dentro de si e clareiam a visão de muita gente. Obrigado.

    ResponderExcluir
  9. Poxa Eduardo, se por algum acaso vier a Brasília não deixe de avisar por aqui, seria uma honra conhece-lo!!!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Se vier a Pernambuco (novamente), avisa.

    ResponderExcluir
  11. Camarada ...

    Faço das suas reflexões as minhas e de outros bons parceiros desta vida ...
    Compartilho essas angustias e tenho a esperança que move o nosso dia a dia de criar o novo ... o diferente ... onde e afinal outro mundo seja possível! E é!!!

    Abração!

    ResponderExcluir
  12. Será que nós não fomos e estamos sendo sabotados com toda racionalidade que recebemos nas escolas e que ofusca ou diminuí o desenvolvimento dessa intuição, dessa sensibilidade...?

    (apenas suposições, idéias que saltam a cabeça assistindo o vídeo...)

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.