quarta-feira, 12 de maio de 2010

Raul Seixas

                                                                                                                                                                                                    


"Não que me sinta sozinho, quando caminho por entre toda essa gente, de cabeça baixa.
Lastimo e é só.
As ruas se desfazem, quando o caminho pra frente é percorrido.
Não há mais retorno.
Uns há que ficam, e são tantos...
Quero a mão dos que prosseguem.
Quero a certeza dos loucos que brilham,
pois se o louco persistir na sua loucura,
acabará sábio."

"Na casa da ignorância, não há espelho no qual se possa ver a alma."

"Ninguém tem o direito de me julgar, a não ser eu mesmo."



34 comentários:

  1. Olá Eduardo, tenho acompanhado seu trabalho há algum tempo. Admiro bastante sua iniciativa, faltam na sociedade pessoas com pensamentos e atitudes como a sua(talvez eu tb seja omisso). Mas com o pouco que posso contribuir estou me empenhando, fiz um blog, com principio semelhantes ao teu.

    Abraço. e se cuide.

    ResponderExcluir
  2. Velho...você simplesmente falou tudo, acabei de ver o seu vídeo em um blog. Que a mensagem seja disseminada por vários meios e que atinjam a todos, que de uma forma ou outra alguns abrirão os olhos e outros a apoiarão. Sou de Salvador meu caro, um abraço para ti!

    ResponderExcluir
  3. Faz o que tu queres
    ah de ser tudo da lei

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Meu... PARABÉNS!!!
    sem comentarios, só PARABÉNS!!!
    ~
    não só por este post, mas por todos eles!!!

    ResponderExcluir
  7. Eduardo, vc é mesmo surpreendente em seus trabalhos!!!! muito obrigada por compartilhar conosco essa arte contemporânea maravilhosa que vc tem!!!

    Como andas tua pequena? Bjs

    ResponderExcluir
  8. Cara vc consegui resumir num video de 10 minutos oq precisei de um livro pra dizer. No final de 2004 tambem venci minha própria hipocrisia, abandonei firma, capitalismo e consumismo e fui viver viajando o Brasil vendendo meus livros de poesias.
    Em primeiro de abril de 2008 lançei meu livro AI 2005 BRA$IU ROUBE-O OU DEIXE-O...
    No qual faço um relato sobre o Brasil bem parecido com o seu.

    Abç e boa sorte..

    ResponderExcluir
  9. Acabei de ver o video no youtube que voce da uma entrevista... estou imensamente grato e feliz por ver alguem que compartilha de ideias sensatas, que tem o olho aberto, e que pratica a arte em seu estado bruto, a arte que atinge, a arte de mudar e nao a arte vender.

    Grande abraco, espero te encontrar na trilha da vida ainda..

    ResponderExcluir
  10. Eduardo, sinto imensa felicidade que existam pessoas assim, com inteligência e atitude!


    http://ohomemesuascorrentes.blogspot.com

    Deêm uma olhada lá, pessoal!

    ResponderExcluir
  11. Cara continue neste belo caminho. Você é um grande incentivo para que as pessoas a sua volta percebam as disparidades que nos assolam. Nós podemos mudar!
    www.movimentozeitgeist.com.br

    ResponderExcluir
  12. E aí irmãozinho,é ou não é referência...kkkk. Sua responsabilidade só irá aumentar. E se você aguentar o tranco, vira HERÓI de uma bela ideologia praticada todo dia, toda hora, todo segundo. Tô te observando e absorvendo.

    ResponderExcluir
  13. Minha "responsabilidade" é a mesma de todo mundo. Não aumenta nem diminui, em relação à coletividade.

    ResponderExcluir
  14. A coletividade é medíocre, hipócrita, bestial, banal, dominada, vazia e quer me dizer que no meio disso tudo você é um nada, um zé ninguém? Então você fala por falar, faz por fazer, se der resultado bem e se não der amém. Camarada quem tem a visão crítica é você e não a coletividade! Estou esperando você acertar na mosca de novo...Tô te observando e absorvendo para continuar me movendo.

    ResponderExcluir
  15. A coletividade é o que é. E nós somos o que somos. E, em nenhuma hipótese, estamos fora da coletividade.

    ResponderExcluir
  16. Criar semelhanças e respeitar diferenças. Ser amigo de rei e de mendigo, praticar amor, a expressão mais sincera de união. A ignorância uma hora termina, mas a evolução também repousa. Entende ? Apesar da tua raiva contra a máquina ser justa, melhor usar tua energia na arte e liberta os outros através dela, porque a mídia ainda controla as mentes e controlará por muito tempo.

    Mas, tá bonito.

    ResponderExcluir
  17. Eduardo,
    Através do Tuco Egg e da Trilha vim parar aqui.
    Gostei MUITO do que li, ouvi e vi sobre você e seu trabalho.
    Saio inspirado.
    Grato,
    Roger

    ResponderExcluir
  18. Sábia colocação Logun.Somos sim o que escolhemos ser compade Eduardo e fazemos, dentro de um caos organizado, parte dessa coletividade dando movimento as coisas. Porém não podemos esquecer que poucos dessa coletividade tem consciência e a oportunidade de perceber que somos seres individuais e transformadores com você Eduardo. E o ponto é: e agora o que vai ser? vamos evoluir nessa caminhada? Ou permanecer no ponto que chegamos? E como fazer isso? Alimentar nossa manifestação pelo repúdio e ódio ao sistema, mesmo que justo, faz a gente andar em círculo. Achei que no contexto onde você e alguns outros estão inseridos eu pudesse vislumbrar o tissunami citado em seu belo material exposto aqui. É somente isso meu parceiro. Estamos misturados, mas somos diferentes sempre. Grande abraço na tua nobre alma. Adriano.

    ResponderExcluir
  19. Falta cultura mesmo, aquela de verdade, que vem da esquina,e entra na casa do vizinho, que chama o outro, que vai no terceiro, se reunem e fazem uma festa, onde todo mundo conversa, e decide o que é bom, e continuam fazendo.E assim se solidifica.
    Não somos feitos para globalizar,diluir,massificar.
    Assim perdemos calor.Temos que reconhecer nossa pequenez e fragilidade.E assim assumir nossa humanidade.

    ResponderExcluir
  20. O que vai ser? O que está sendo, o que é, o que sempre foi, desde que podemos lembrar. Há como não evoluir? Existe alguma coisa estacionária, no universo? Para nossa pressa, parece, mas tá tudo em movimento. Esse é o ritmo, o pulsar, se você respeita o ritmo, o trabalho rende melhor e frustra menos. A pressa atrasa o lado e periga distorcer a visão. Grande abraço, Adriano.

    ResponderExcluir
  21. Héeeeeee meu amigo agora senti seu coração falando e um tanto de sabedoria. Realmente eu tenho pressa... Realmente eu não tenho tolerância...Relamente estou fora do rítimo o que me remete ao desespero e a falta de esperança.

    Já valeu...tô te aguardando um dia por aqui. Nos falamos por e-mail.

    Muitos abraços irmão.

    ResponderExcluir
  22. Boas. Sigo o teu blog por RSS faz algum tempo. Realmente faltam pessoas como tu neste mundo, mas de certo modo há sempre que comece a espalhar. Vale a Pena Lutar, não pudemos é ajudar toda a gente, até porque à gente demasiado ignorante para perceber que precisa de ajuda.

    De qualquer dos modos, queria sugerir-te para veres 3 documentários. 2 dos quais que eu recomendo acima do primeiro:

    e o primeiro chama-se "Zeitgeist: the movie"

    depois, estes são os dois que eu recomendo acima deste:

    Zeitgeist: Addendum - Uma curiosidade, TZM (The Zeitgeist Movement) é um movimento que juntou esforços com o TVP (The Venus Project, e o Earth 2.0), cujo segundo documentário retrata melhor a corrente direcção do movimento. No zeitgeist 1 (the movie), no entanto, já foi feito há algum tempo e neste momento o movimento está mais preocupado com soluções e consciências sociais, do que propriamente teorias da conspiração. O doc é gratuito e tem legendas aqui: http://www.zeitgeistmovie.com/
    e o site internacional do movimento é aqui: http://www.thezeitgeistmovement.com/
    o portal zeitgeist no Brasil é este: http://movimentozeitgeist.com.br/

    Collapse (2009) - se há um documentário que te aconselho no topo, seria este. É uma entrevista a um senhor chamado Michael Ruppert, que tem este blog: http://mikeruppert.blogspot.com/ o qual eu aconselho qualquer um aqui a verificar este blog diariamente até porque funciona como um autêntico noticiário global do melhor que pode existir. Eu aconselho a ver esse blog, e com o "collapso" do sistema global que está prestes a acontecer, ele mais uma equipa de 15 pessoas estão prestes a lançar este website, que essencialmente procura construir "salva-vidas": http://www.collapsenet.com/

    Abraços.

    ResponderExcluir
  23. A uns anos atrás quando eu tava no ensino fundamental, comecei a achar que felicidade não é consequência de nada: Estando satisfeito eu estaria feliz. Depois achei que ninguém no mundo concordaria com uma idéia tão diferente de tudo o que eu tinha visto.
    Hoje eu sei que existem várias pessoas no mundo que também têm essa consciência.

    ResponderExcluir
  24. Você me lembra o médico americano Patch Adams (que fizeram um filme pouco realista sobre ele)

    O cara diz que tem vergonha de ser americano, é contra o nacionalismo, e vem tentando a muitos anos construir um hospital em que todos os funcionários - do fachineiro ao cirugião - iriam ganhar o mesmo salário. E que não fosse admitido aos médicos, cuidar dos pacientes sem essas 6 premissas: Alegre, engraçado, carinhoso cooperativo, criativo e atencioso.

    aqui um vídeo muito bom em que Patch fala sobre tudo isso: http://www.youtube.com/watch?v=ovEzaiOazVc

    ResponderExcluir
  25. Valeu, Alan. Quiser contatar, use o endereço eletrônico. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  26. Eduardo, oi! Meu nome é Helena. Fiquei sabendo de você a um tempinho atrás, quando a minha prima me mandou seu vídeo. Fiquei curiosa para vir aqui, dar uma olhada nas suas idéias, pensamentos. E resolvi compartilhar com você, um texto que eu fiz... Enfim, ao seu dispor! ( aí em cima)


    Beijos! tudo de bom

    ResponderExcluir
  27. A angústia tem lugar nas vidas sem sentido. Por que procurar respostas? Prefiro procurar as perguntas certas, as perguntas que me libertem das falsas respostas e me determinem a conduta, fora do induzido. Contra o induzido pelo sistema, verdades criadas em laboratórios de controle social e implantadas por essa mídia empresarial, formadora de valores e opiniões, objetivos e condutas, conforme os interesses do lucro das grandes empresas.
    Determinando meus próprios valores e minha conduta no mundo e na sociedade, é que dou sentido à vida. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  28. Olá, Eduardo.

    Acabei de ver um vídeo seu no Youtube, por indicação de um amigo. E ele disse ao me passar o link: "espero que não pire". No sentido de pirar o cabeção mesmo, abalar as estruturas.

    Obrigado por nos permitir reflexões. Obrigado por expor suas idéias e seu trabalho.

    Tô participando do movimento grevista aqui em SSA, mas muito triste pela Justiça injustiça do nosso Estado (e também país). Tem gente ganhando não sei quantos mil por "vantagens pessoais" que a gente não sabe de onde vem, um monte de apadrinhado que não quer perder privilégios, e têm sede de muito mais. Enquanto pais de família,dentre outros, ralam pra ganhar seu salário íntegro, e vem a "Justiça" querer tirar o que já se tinha conquistado.

    Enfim, obrigado.

    ResponderExcluir
  29. É de se admirar! Esse há de ser o caminho certo pra evolução do espírito humano, a que todos nós necessitamos!
    Vontade não me falta, e sim um pouco de coragem.

    ResponderExcluir
  30. Infelizmente a raça humana é movida unicamente pelo desejo, e por esse instinto humano que causa o descontrole da mente, talvez, continuaremos sempre no mesmo sistema primata e inconsequente, O Capitalismo.

    ResponderExcluir
  31. Não é problema o desejo mover a atitude, ao contrário, é a regra. O importante é o que se deseja, o discernimento, as escolhas. O capitalismo (que não merece maiúscula) não existiu sempre, nem sempre existirá, como nada existirá para sempre, do que conhecemos. É apenas uma fase da humanidade, como disse Einstein, a "fase predatória". E ela será inevitavelmente superada, de uma forma ou de outra - a revolução ou a barbárie. Talvez, ainda, forçada pelas hecatombes naturais que se prometem para relativamente breve.

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.