quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Medicina oferecida por Cuba ao mundo e dedicada aos pobres

Esse é um filme feito por estudantes de medicina. Nâo se pode esperar qualidade técnica. Apenas cansaram de passar por mentirosos, quando falavam da medicina cubana, e resolveram documentar a parada. Essa é a medicina do futuro, uma medicina humana, solidária, sem condições pra atender além da necessidade de qualquer pessoa. Qualquer um que precise, sem distinção, recebe o melhor atendimento possível, com todos os recursos disponíveis. Em Cuba, não existe medicina particular - tremam, gananciosos. Não há laboratório farmacêutico privado, nem planos de saúde.

O ódio à medicina cubana tem essa raiz. A ganância, o egoísmo, a indiferença com o sofrimento de milhões. Por isso a repulsa a essa medicina humanitária. Mas o trabalho da mídia, profundo, constante, faz a maioria rejeitar essa realidade e acreditar que a ilha é um presídio dominado pelos milionários irmãos Castro, ditadores sangüinários que escravizam o povo cubano. 

Na verdade é um Estado não dominado por interesses empresariais, como o nosso, e que se coloca a serviço de sua população. Daí a fúria da mídia empresarial, porta voz dos interesses daqueles que são o pior que a humanidade tem, os vampiros da humanidade, mega-banqueiros e empresários das transnacionais. Esses impérios dependem da existência da miséria, da pobreza, do conflito, da competição desenfreada, da desunião, da angústia e do sofrimento, da exploração e do controle de parcelas imensas da humanidade. 

Não é à toa que os jornalistas e comentaristas repetem com tremor de indignação palavras pra causarem sentimentos ruins, terroristas, comunistas, ditadura, guerrilheiros, anarquia, violência, decadência, estamos perdidos, estamos fritos, o mundo vai desabar, vai faltar comida, seremos todos escravizados pela ideologia esquerdista neo pentecostal e é o apocalipse.

O pânico e o ódio lhes tira o senso de ridículo e eu acho ótimo. São muitas máscaras pra cair.

A solidariedade irrestrita é uma potência revolucionária. Há outras. E o trabalho interno, profundo, sincero e humilde é a primeira de todas as potências revolucionárias que possamos ter.



44 comentários:

  1. Assisti esse vídeo há alguns dias, comentei com amigos... deu vontade de ir fazer medicina em Cuba! Do mesmo jeito que tenho vontade de ir morar no sítio do Mujica.

    E por quê querer ir pra longe e não transformar aqui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ELAM (Escola LatinoAmericana de Medicina) tem metade dos seus alunos estrangeiros. O critério pra admissão se baseia em não poder pagar pelo curso em seus países de origem, ser envolvido em movimentos sociais e ter a intenção de servir com seus conhecimentos as pessoas mais pobres, que não podem pagar atendimento. Nesse critério, eles têm alunos até do Harlem e do Brooklin, nos Estados Unidos. E a idéia é formar médicos para atender os mais pobres em seus países.

      Eu também gostaria de morar num pé de serra, com nascente de água, tratando da terra e vivendo em paz. Mas não vou - pelo menos tão cedo - porque me sentiria muito egoísta, tenho compromisso com minha coletividade e vejo meu trabalho dando resultados. Quando puder fazer meu trabalho e morar na serra, melhor. Mas não tenho pressa nem faço questão. Faço questão, isso sim, de nadar na contra corrente e contar pra todo mundo sobre as correntes de mentiras e falsidades que nos envolvem.

      Excluir
    2. legal, eu to nos critérios... e...

      que saco! se não é ego prum lado, é pro outro.

      :/

      Excluir
  2. Olá Juliana Aline Lehmen. Tudo bem? Então, podemos começar por aqui. Por exemplo, eu moro no Tocantins e aqui as coisas são muito difíceis apesar de sermos um Estado de menos de 2 milhões de habitantes, local relativamente pequeno, no entanto, o índice de Corrupção Política é altíssimo, a saúde é precária e a população tem pouco conhecimento de ação, dos seus direitos e uma educação realmente precária. Apesar de termos rios, boa vegetação, uma cultura indígena forte, há muita violência, muito desrespeito ao índio.As crianças e os jovens continuam a serem criados da forma do sistema, que tanto o mano Edu aqui e eu criticamos. Conheci o Paraná, Santa Catarina e fiquei assustado com o contraste, como é diferente e como aproveitamos mal o que temos aqui e como somos atrasados em muita coisa que poderia ser resolvida de forma simples, bastando apenas boa vontade, trabalho, educação e respeito, integração pelas pessoas. Estudo Filosofia na Universidade Federal do Tocantins, Letras e Literaturas no Grupo Uninter e Política por conta própria e observo a relação da academia(e outras instituições) com a comunidade, com os vários tipos de conhecimentos que já existiam aqui antes de nós e pensei : Por que não me torno professor e tento mudar pelo menos um pouco, tentando despertar, dialogar, fazer os alunos experimentarem a cooperação ao invés da competição, tentar mostrar que tem tanta coisa legal além da cultura EUA e R$....Todos acham que sou louco, mas me inspiro em caras como o mano Edu aqui, Roberto Carlos Ramos, Caio Fábio, Paulo Freire, Darcy Ribeiro, e alguns professores de verdade que apesar de terem sofrido no SISTEMA, mudaram a vida de milhares de alunos e deixaram projetos fascinantes e que ajudaram os pobres e deram a muitos condições de continuarem a sobreviver paralelamente apesar do SISTEMA. Eu sou resultado de um destes esforços. Isto me motiva, se salvar um na sala de aula, vale à pena tentar aprender com eles e ensinar, passar, jogar a semente e tentar fazer um grupo, qualquer coisa para os daqui, do Interior que padecem de ignorância(quanto ao poder de se unir e mudar com as próprias mãos e não esperar boa vontade e humanidade do Estado) e do descaso do Estado.

    ResponderExcluir
  3. Pensei em me mudar daqui para o SUL, mas pensei: Por que não tentar fazer diferente aqui? Então decidi que a única forma é aprender com eles e dialogar com o que sei e tentarmos resolver os problemas das cidades... Tem muita gente boa se juntando e rachando o Sistema pouco a pouco por dentro, tanto na mentalidade dos Donos do Saber, os Donos do Poder e os Donos das Cidaes como do povo, que percebe o poder que tem de mudar a própria realidade e de usar várias ferramentas para sobreviver. Essa turma leva na cara, não é nada romântico, mas existe resultado, muito resultado, e isto faz a esperança voltar para os nossos corações e pensar que no futuro as coisas podem melhorar para aqueles que ficarão. Eu não vou levar nada dessa vida, por que não tentar deixar alguma coisa boa para os que virão? A natureza foi muito boa comigo, meus familiares e me permitiu viver bastante, conhecer boas pessoas, ter amigos e apesar de uma vida simples, ter sido feliz, brincado muito....

    Minha família tem ligação com os índios e a natureza daqui desde que saíram do Maranhão e foram morar no que hoje é a cidade de Itacajá-TO que ainda nem tinha sido fundada. Construíram as casas com as próprias mãos e sobreviveram da boa vontade das árvores que davam muitas frutas e de uma agricultura e pecuária de subsistência. Meu bisavô Altino Pinto (1890) foi morar nas fazendas, sendo uma das primeiras famílias da região : Os Pintos e Costas. Conheci e cresci brincando com os filhos nas aldeias próximas, são 11 no que chama de Krahôländia aqui. Sempre respeitaram a natureza e minha avó ainda vive, relatando o "desenvolvimento" da cidade, onde a Coluna Prestes passou e não muito distante de onde houve a Guerrilha do Araguaia, logo, eu pertenço a este lugar e não quero ver tudo isso sendo destruído pela urbanização maluca, pelo capital, pelo desrespeito a tradição dos habitantes, pela tecnologia e por tanta coisa de ruim que foi levada para lá. Tudo era muito simples, brincávamos com mangas, buritis, bambus, e nossa criatividade fazia o resto, hoje.... É lamentável ver índios se prostituindo, crack nas aldeias, índios se suicidando, alcolizados e diante da mesma situação da colonização, só que agora, da Globalização e de um modelo de vida perverso. Os novos habitantes daqui não percebem, os daqui não compreendem e muitos não se interessam, mas estão matando o próprio lugar onde construíram suas vidas e o lugar que foi tão generoso em recursos naturais para mantê-los e a sua geração. Tudo em troca de status, poder, dinheiro e todas estas merdas que no fim só levam ao deserto da miséria interior. Contra isso, lutarei até a morte seja do lado de dentro, ou do lado de fora. Tenho uma filha e não quero isso para ela, quero para ela uma vida de verdade e não de aparências e sei que posso passar algo da minha história para muitos e se um só ouvir, compreender e ajudar, já valeu todo o trabalho.

    ResponderExcluir
  4. Escrever para você Juliana? Quer esse texto por e-mail? Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se eu quiser esse texto aqui eu copio e colo...

      mescreve por que quero teu imeiol, contato, pra quando eu subir pras tuas áreas ae. E pra não ficar batendo papo aqui no blogue do Edu, oras.

      inté.

      Excluir
  5. O vídeo é bacana, infelizmente muito diferente é o espírito dos estudantes daqui.... são raros os que apreciariam e se inspirariam. OS nossos estudantes, nas ciências sociais, já entram no curso porque pensam assim, construiram experiências pregressas e vivências que lhes permitiram ter uma visão de mundo libertária e solidária. (conheceste alguns deles quando vieste à UNisinos, Eduardo). Mas na medicina... é difícil. Até mesmo na enfermagem, psicologia, educação física, nutrição e outras áreas da saúde que ando lecionando, é difícil. Jà dei aula na medicina e de 50, se pesca 2 ou 3 que teriam esse potencial. Mas como disse o amigo aí em cima, se a gente sensibilizar um por semestre, já é uma (modesta) contribuição.

    ResponderExcluir
  6. "A solidariedade irrestrita é uma potência revolucionária"



    É isso!

    ResponderExcluir
  7. Quer dizer que se tivermos um governo semelhante ao de Cuba seríamos um pais mais justo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O maior nível de escolaridade das Américas, nenhum habitante desabrigado ou sem atendimento médico, índice zero de analfabetismo, um povo armado e com acesso a treinamento militar a qualquer habitante sem antecedentes criminais, um Estado a serviço do seu povo como nenhum outro - e por isso mesmo difamado pelos interesses empresariais que dominam tantos governos e estados pelo mundo, com seus meios de comunicação deformando a realidade, mentindo descaradamente em favor do lucro e contra o patrimônio público e a vida humana. Os dados não são do governo cubano, mas dos organismos da ONU pra educação e cultura (UNESCO), pra alimentação e combate à foma (FAO), pra saúde (OMS) e cuidadosamente ignorados pela mídia. Daqui da nossa sociedade, olhando em torno, não há moral pra falar de Cuba, ainda mais as idiotices absurdas repetidas com ódio e mentirosamente.

      Só pra constar, não sou comunista, nem filiado a qualquer corrente partidária ou ideológica. Tenho sérias restrições às esquerdas, mas são de ordem totalmente diferente das acusações dos conservadores direitistas e dos privilegiados que têm horror a uma sociedade menos injusta onde não possam explorar os mais pobres.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    5. Senhor Marinho, a ilha de Cuba antes mesmo da Revolução de 59 que depôs o presidente Fulgêncio Batista e instaurou uma ditadura castrista-comunista que já dura há mais de 50 anos, mantinha um padrão educacional exemplar no ranking mundial do período -- assumindo incrivelmente o 8º lugar segundo os dados da UNESCO da época -- e perdendo 10 posições no ranking mundial após a implantação da ditadura castrista-comunista, assumindo atualmente a 18ª posição, isso sem levar em consideração que a educação didática atualmente de Cuba é absolutamente doutrinária, onde é ensinado sistematicamente as crianças desde cedo a idolatrar Che Guevara e a louvar Karl Marx, como se o marxismo fosse a única ideologia inteligente do planeta Terra. Portanto, é uma falácia afirmar que Fidel Castro levou algo de bom para a ilha de Cuba a não ser algo de ruim como o genocídio que dizimou aproximadamente 200.000 vidas humanas em um curto período de tempo, em sua grande maioria camponeses que eram contra o regime ou então que eram considerados "traidores da revolução". Sobre o desabrigamento dos habitantes de Cuba, de fato, ninguém lá é desabrigado, visto que qualquer papelão nas esquinas de Havana é considerado por um cubano como uma moradia aconchegante e quentinha. De fato que a saúde em Cuba é pública e, portanto, o atendimento médico é gratuito, porém é que nem o nosso Sistema Único de Saúde (SUS) onde o paciente é desumanamente atendido -- isso quando é atendido -- e os profissionais de medicina trabalham precariamente, sem a possibilidade de manuseio de nenhum equipamento cirúrgico de qualidade ou avançado, por que simplesmente NÃO existe tais utensílios e a higiene nos consultórios e corredores dos hospitais públicos é lastimável, existe inclusive fotos na internet mostrando pessoas idosas em um hospital cubano abandonadas à mercê, defecadas, feridas e mal-tratadas. O povo cubano é ARMADO? De onde você tirou essa loucura? Não sei de qual fonte você se baseou para alegar essa informação, porém saiba que após o golpe comunista de 59, houve uma grande companha governamental de Fidel Castro estimulando a população para que entregassem as suas armas, tipo o nosso abjeto "Estatuto do Desarmamento", e o resultado dessa campanha foi um genocídio elaborado por parte do governo de Fidel Castro, que como eu já havia dito, dizimou aproximadamente 200.000 vidas humanas, pois o povo não podia mais se defender ao ter aderido a campanha governamental de desarmamento. Não existe o armamento civil em uma ditadura comunista, somente quem tem acesso a essa ferramenta de ataque ou de defesa são os policiais, as Forças Armadas e os capangas do governo comunista de Raul Castro. E sobre os tais dados que são revelados pelos organismos da Organização das Nações Unidas (ONU), saiba que a mídia cubana é absolutamente aparelhada pelo governo cubano e, portanto, ela repassa as informações para os órgãos da ONU conforme o Estado cubano assim desejar que seja, mentindo sobre a real situação social da ilha. No comunismo é assim: o capitalismo é hipocritamente usufruído pelo líder e pelos membros do Partido Comunista, onde comem e se vestem do bom e do melhor em seus palacetes, enquanto o povo agoniza na mais terrível miséria jamais antes vista por alguém, sofrendo as mazelas da escassez que o comunismo de economia plenificada traz.

      Excluir
    6. A Globo, o Bolsonaro, os reacionários em geral adorariam este seu comentário. Um show de distorção e desinformação. Respeito, mas morreria de vergonha de estar no seu lugar. Tá fechado com os vampiros da humanidade e seus morcegos. Minhas informações são outras, opostas às suas. Posso estar enganado, mas você também pode. A ONU não usa dados do governo cubano, nem usaria jamais, risível essa. O que mente sobre a ilha é a mídia comercial, os interesses empresariais desumanos que cooptam governos e os colocam contra sua população. Bueno, cada um com seus olhos e sua consciência.

      Excluir
    7. Para refletir...
      Por que será que os marines não invadiram Cuba, como fizeram em Honduras, no Panamá (180 mil mortos em três dias) e em vários países da América Latina e do mundo, como estavam pra fazer no Brasil, caso houvesse resistência ao golpe de 64, com a 4ª frota a caminho pra desembarcar no Espírito Santo e em Santos e transformar o Brasil num Vietnam? Antes que me pergunte, essas informações foram reveladas pelos USA, com a lei de publicação de documentos secretos depois de 40 anos. E foram usadas num documentário do canal Brasil, "O dia que durou 21 anos". Estas e muitas outras, de estarrecer quem não tinha idéia e pensava mesmo que era uma "revolução", livrando o país da "ameaça comunista" de um João Goulart rejeitado pelos comunistas, que o consideravam moderado demais - a religião comunista costuma ter cartilhas implacáveis, quem pisar fora da risca é um fidaputa lacaio do capital, vê se eu agüento. As reformas de base, que resolveriam vários problemas, eram inaceitáveis pras elites, acostumadas e aferradas aos privilégios que exigem miséria, pobreza e exploração da maioria. O ódio é o sentimento mais comum nessa sub-humanidade.

      Excluir
  8. Bafo de boca. Somente cidadãos cubanos podem dizer algo de relevante, uma vez que estão submetidos ao regime. Viaje até Cuba e entreviste os cidadãos da ilha (principalmente os mais jovens e os mais pobres) sobre o que eles gostariam de fazer de suas vidas.

    ResponderExcluir
  9. Eu viajei e falei. Falei com estudantes universitários que só podem estudar porque são de Cuba (filhos de agricultores etc). Falei com professores universitários que, mesmo ganhando 500 pesos, não querem capitalismo selvagem e neoliberalismo para Cuba. Agora, é claro que há problemas e deve haver gente descontente. Por acaso não há, em nossa sociedade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Marília. Da próxima clica em "responder". Acho que aí o cara recebe tua resposta por imeio. Não tenho certeza, mas acho. Os egoístas não acreditam em solidariedade, "tem algum interesse por trás". E tem mesmo, o interesse no bem estar, no prazer de se sentir útil, solidário, integrado à coletividade, humano afinal. Pro mentiroso o sincero é trouxa ou muito esperto e bom de lábia, pro ladrão o honesto é otário ou covarde. É pequeno e é comum. Ainda. A gente atiça as brasas espalhadas por aí, elas vão acendendo outras que estavam apagadas... e assim vamos.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. "Estudantes universitários que só podem estudar porque são de Cuba". E se esses cubanos tivessem a autorização de trabalhar, juntar dinheiro e for até os EUA, Alemanha ou até um Japão da vida para estudar, quantos deles não o fariam - coisa que aqui no Brasil temos a liberdade de fazer. E sobre os professores não quererem "capitalismo selvagem e neoliberalismo na ilha", é mais um conformismo, não têm opção, não tem abertura. Qual integrante (professor ou estudante) de um instituto governamental, que até funciona sob a total influência do Estado, uma vez que possui esse caráter coletivista, teria a imprudência de maldizer a própria, seja por receio ou doutrinação. Nem quero coletivizar, sei que tem gente mesmo dentro das universidades, repartições públicas em Cuba que estão descontentes com o regime. O que um estudante cubano de Computação da Universidade de Havana acharia das instalações da CalTech, ainda mais sabendo que “alguma coisa” impede-o de ter acesso àquela tecnologia toda.

      Quanto à solidariedade, fica bem claro que o modelo da ilha não é solidariedade e sim uma abnegação coletiva coercitiva vinda do Estado. A solidariedade não é aquilo. Solidariedade é algo voluntário, individual, pessoal. Existem pessoas genuinamente solidárias em Cuba? Com certeza. Eles vivem há décadas sob um regime coletivista, que criou uma cultura de compartilhar o pouco (bem pouco) que eles têm acesso. Mas como você mesmo diz Eduardo, a mudança é interna, parti de cada um como pessoa e não de um poder central concentrador de muita (quase total) influência política, econômica e social.

      Excluir
    4. Boa noite Robinson S.

      "Quanto à solidariedade, fica bem claro que o modelo da ilha não é solidariedade e sim uma abnegação coletiva coercitiva vinda do Estado" Já leste O contrato Social e Da Origem das Desigualdades dos Homens de Rousseau? Quero conversar com você acerca da individualidade, liberdade e que ela não é essencialmente atrelada a ideia de dinheiro, lucro, compra, troca e etc.


      "E sobre os professores não quererem "capitalismo selvagem e neoliberalismo na ilha", é mais um conformismo, não têm opção, não tem abertura."

      Você acha que o capitalismo selvagem e neoliberal é uma opção Robinson S.?

      Abraços

      Excluir
    5. Marília boa tarde, tudo bem? Converso muito com meu tio. Ele é professor de ciências políticas e sociais há 22 anos e diz que a salvação do Brasil está naqueles que sobrevivem com pouco ou quase nada e não naqueles que detém o poder e dependem de uma ferramenta abstrata para qualquer que seja a necessidade. Estão acostumados a comprar amor, carinho, solução para os problemas, sentidos para a vida e facilidades para todo e qualquer imprevisto. As instituições públicas estão obsoletas e inúteis, o modelo de motivação pelo lucro/mérito já não funciona como no início do capitalismo e não se sabe ao certo o que vem pelas próximas décadas. O certo é que o capitalismo começou a falir antes do ano 2000, e se transformar em doença social e máquina de propaganda dos mais abastados.
      Ele costuma dizer que há divergências enormes entre os próprios educadores quanto ao educar estar atrelado ao mercado de trabalho, para a vida e o famoso duelo de egos entre os professores de diversas áreas do conhecimento. Ora, se quem é educado está brigando ao invés de cooperar como que a educação fica? O espírito de cooperação foi o que trouxe a humanidade até aqui e não de competição entre si. Este “modelo” de competição validou-se do sentir humano por disputar, duelar, e ocorre desde a creche até o ensino médio e no ensino superior terminam de assassinar a consciência dos jovens, que já vem com o "chip" programado com as instruções do competir, violar, explorar, desgraçar, que a vida é uma merda, que tudo é descartável e tô aqui para aproveitar. Isto não é NATURAL. Não percebem (porque é preciso parar e sentir) que suas necessidades estariam satisfeitas se formassem um conjunto e lutassem em companhia(em respeito a natureza) ao invés de querer tomar um o que é do outro. Matematicamente isto não é uma utopia, e o próprio John Nash em seus estudos acerca da teoria dos jogos deixa isto bem claro, é uma lógica simples para a divisão dos recursos naturais e renováveis.
      Veja bem, não estou tratando da divisão do trabalho, de Marx, Comunismo, Socialismo e qualquer teoria, mas de uso daquilo que a natureza entrega gratuitamente ao ser humano no correr das estações. O tio é Caboclo, já viveu na aldeia Pedra Branca em Itacajá-TO, bem como São Paulo, Recife e outros lugares. Conhece a realidade das aldeias do Tocantins e das instituições de ensino dentro e fora do país.

      Excluir
    6. Costumamos conversar muito sobre a sociedade, as relações humanas, a educação e temas do gênero. Ele costuma dizer que o pé de manga não filosofa para nos dar as mangas todo ano para todo mundo da cidade, independente da classe social, da cor, das idéias, das subjetividades, de quem quer que seja as mangas caem e todos poderão comer e se fartar de graça.
      Assim como são com os pais, será com os filhos e com os filhos dos filhos, por isto a estranheza dos portugueses ao chegar ao Brasil e serem questionados quanto ao valor de transportar tanto pau Brasil para a Europa com a justificativa de que era para o futuro dos filhos.
      Assim acontecia quando eu era pequeno e muita gente não entendia porque quando davam um saco de arroz para os índios, eles reuniam toda a tribo, em média 7 a 9 famílias e comiam tudo num só dia. Aquilo era um espanto para os trabalhadores e um modelo absurdo de sobrevivência.
      No entanto, há quem queira fazer do pé de manga, uma máquina ideológica e usa toda uma “ciência-linguística-psicológica-gráfica” para a “compre-e-ensão” do fenômeno natural DAR A MANGA (Não é possível que seja tão fácil e naturalmente bom para uma natureza que tanto nos castigou, segundo os historiadores, biológicos fazer caridade justo agora...rs..)
      Mas foi assim que EU VI e VIVI por mais de 14 anos enquanto observava nos períodos em que mangas, abóboras, feijão, arroz, goiaba, murici, pequis, bananas, maracujá, laranja e tantas outras frutas que nasciam aqui e ali e que não se vendiam, se plantava, se partilhavam e todos comiam e se fartavam daquilo que produziam ou que a natureza por si só produzia através dos pássaros e dos ciclos naturais, das estações... Ora, vendo isto, como posso afirmar que a natureza normal e evolutiva do homem é a competição – exploração – destruição? Darwin esmiuçou o assunto da seleção natural e isso pegou até bem para os animais que fazem uso do instinto e não da intelligentsia para suas teorias e estudos. Naquela época, a necessidade do dinheiro era pequena, no entanto, era perceptível o mal que ele causava nas relações quando introduzido para definir valor, dividir trabalho, salário, remuneração, enfim aquela coisa abstrata que hoje muita gente chama de poder, que leva a outra palavra estranha chamada status... As roupas se faziam, os móveis se construíam, a dependência do dinheiro era pouca e, no entanto há quem diga que hoje é melhor porque tudo é mais fácil, rápido, sem lembrar que apesar de lento as pessoas não se matavam tanto e lutavam como animais em cidades que mais parecem campos de guerra. Muitas pessoas de idade, ainda assim, dizem que antigamente, apesar das dificuldades, as pessoas viviam melhor umas com as outras e com a natureza. Falo pela minha cidade.

      Excluir
  10. Já leu A revolução dos bichos de Orwell? Tenho 26 anos e sou um pouco mais velho que o Estado onde vivo, conheço alguns dos primeiros habitantes que formaram a capital e conheço bem como aqui começou e como hoje, 2013, está em colapso nossa máquina pública, os valores dos civilizados e dos não-civilizados por motivos óbvios: Dinheiro, Corrupção, Corporativismo entre Empresas e o Setor Público, apesar da maioria ser um povo que quer o bem dos seus ou de si, da sua família, o governo quer dividir, as instituições querem separar o povo da terra, dando-lhes cargos, carros, coisas e mais coisas e fazendo esse processo de análise histórica dá para compreender porque as crianças e mesmo entre os ricos, pobres, miseráveis existe tanta ganância, egoísmo e uma alma perturbada por A ou B, futilidades, coisificação do ser, tudo muito bem desculpado pelo consumo, a necessidade de criar os filhos e blá blá blá.... Ao invés de juntar pela necessidade, querem separar pelas diferenças, uma lógica perversa.
    Fazendo um paralelo com uma cidade que não tinha nada de desenvolvido em 1995, que mal se tinha energia, acredito que hoje podemos ter mais informação, mas temos milhares de preocupações, doenças, problemas a mais e não temos tempo ou espaço para crescemos como família, juntos, estamos sempre nos separando e nos fechando cada vez mais. Isto não é desenvolvimento, isto é uma nova escravidão pelo poder da técnica que matou algumas das atividades mais próprias a aproximação dos seres humanos com a realidade da vida, da natureza, da comunidade. Claro que os ricos são mais egoístas, com raras exceções. Mas entre os pobres também há muita lei de Gerson, jeitinho brasileiro, olhar para o umbigo e sacanagem, ora, ninguém é perfeito, ainda mais numa sociedade maluca, doentia como a nossa, mas se falamos de pessoas que DESEJAM mutuamente se ajudar, vejo isso como a única revolução possível, no meu ponto de vista. O que sair disso pode ter as conotações lingüísticas e inteligíveis que tiver, mas continuarão frio e distante, separando-me dos meus irmãos, amigos, familiares, dos lugares, e embora tenha canais para me comunicar não terei tempo ou disposição para a comunicação, sentirei raiva do sistema, desconfiança dos outros e tentarei me rodear de “seguranças” de “objetos” que supram minhas necessidades por carinho, atenção, afeto, socialização.
    Falta humanidade, sentimento, educação, saúde e tudo aquilo que o Estado deixou de cumprir quando instituiu suas Constituições ao longo da história do Brasil. Falo porque sou pobre e sinto as dificuldades que é para viver com um salário mínimo, digo que precisa de educação ambiental, financeira, cidadania, reflexão, comida, água de qualidade porque não somos preguiçosos, nem os índios, somos seres humanos e não nos caracterizamos por produzir mas por fazermos parte da natureza no qual os rios são de graça, as árvores, frutas também e este modo de vida não é natural, e vai contra tudo que nasce em mim como ser humano....

    ResponderExcluir
  11. Por que não dividir sem o medo de se perder a individualidade, o privado? Dá para ser feliz e manter-se as diferenças, só é preciso entender o significado de compartilhar e cooperar com as diferenças de cada um. Por que sinceramente fora disso não vejo outro futuro para o ser humano senão a escravidão por aqueles que se dizem cheios das melhores intenções e estão entre professores, médicos, pastores, políticos, pais, mães, religiosos, amigos, patrões, chefes, e até os mais bem intencionados dos seres humanos.

    "Se R$ 3.000 é o suficiente para você viver muito bem e desfrutar de milhares de opções sem precisar esforçar tanto a criatividade, por que você vive se matando atrás de R$ 10.000 para ter mais preocupações? E depois que você consegue por que desejam R$ 20.000? Para pagar as dívidas que você não tinha quando vivia apenas com o suficiente? É porque você acha que este é o sentido da vida? É por falta de segurança e de uma carreira? Por qual motivo você corre atrás daquilo que não precisa? Por falta de objetivos mais interessantes, nobres ou lucrativos? Vejo muita coisa para se investir em si próprio e no lugar onde se vive, dá para fazer muito quando somos um só organismo, e mesmo entre as células, as diferenças não estão em suas funções e especialidades, mesmo com suas diferenças, elas tem a mesma finalidade e cooperam para manter o organismo vivo, por que células que nem são tão inteligentes quanto humanos, e formigas que não organizam sistemas tão complexos, coisas que julgamos simples, inferiores, por que não conseguimos fazer como elas? Por que somos animais complexos ou porque complicamos tudo o que é simples para nossa própria conveniência e sem levar em conta as conseqüências?” Tio Alessandro - Palmas - TO.

    “A alma do homem é incansável na busca frenética por algo que preencha o vazio que se assentou sobre sua alma – portanto, são necessários limites até para a liberdade do homem, sendo assim um paradoxo tão profundo quanto à própria natureza imprevisível que existe nas profundezas da essência humana, portanto, cuidemos daquilo que cabe a nós. Percebe-se diferente do outro e busca ir atrás do desejo pelo desejo e não pela coisa como necessária, bela, útil ou por aquilo que representa (...) de conquista, superação, quando na verdade não há solução para o que deseja a alma do homem senão a de olhar ao redor, aceitar sua situação frente ao universo e construir dentro de si seu próprio caminho, para então caminhar sobre a terra, respeitando-a como parte e não como proprietário ou superior a ela, pois mesmo os mais céticos percebem a efemeridade que é a existência humana diante do tempo, da natureza, espaço e da imensidão que vai desde o menor organismo vivo até constelações além de nosso entendimento".
    Arthur Schopenhauer - Mundo como vontade e representação, p. 28”.

    ResponderExcluir
  12. Alguma dúvida só conferir os links para olhar a situação de um Estado que se diz atrativo, mas trata seu povo como lixo:

    É desta forma que o Estado tirou o povo do campo, dando-lhe ¨desenvolvimento¨:

    http://www.youtube.com/watch?v=zUH1l45rs6g

    http://www.youtube.com/watch?v=StnImVndJKw

    Contra fatos, não existem argumentos:

    www.portalct.com.br

    t1noticias.com.br/

    www.portalonorte.com.br

    www.primeirapagina.to

    conexaoto.com.br

    É lamentável, mas sempre disse ao meu tio que um dia isto aconteceria e a autonomia deveria voltar para a mão das próprias pessoas.

    ResponderExcluir
  13. Robinson S.7 de agosto de 2013 17:47

    Aguardo sua resposta, mas se deseja refletir um pouco antes de argumentar sobre o tema, pode dar uma olhada nestas obras:

    www.bbc.co.uk/portuguese/.../10/101019_mitos_capitalismo_mv.shtml


    http://livraria.folha.com.br/catalogo/1201773/23-coisas-que-nao-nos-contaram-sobre-o-capitalismo

    http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/2610413/maus-samaritanos-o-mito-do-livre-comercio-e-a-historia-secreta-do-capitalismo

    http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,livro-derruba-23-mitos-do-capitalismo,39571,0.htm

    http://outraspalavras.net/posts/o-mito-do-capitalismo-natural/


    Você pode também entrar nos próprios sites dos órgãos da ONU(OMS, UNICEF) e visualizar os dados, o resto é uma questão de raciocínio lógico e um pouco de estudo do xadrez político entre os modelos econômicos dos países das Américas:

    http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16298

    http://alopresidentabr.wordpress.com/2013/05/17/quem-tem-mais-credibilidade-veja-ou-oms/

    http://www.globalresearch.ca/cuba-50-verdades-que-yoani-sanchez-ocultara/5325061?print=1

    (Esta é a matéria das Organizações Globo, leia e interprete bem o que está dito aqui. )

    http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL80279-5602,00.html

    Estou aberto a discutir o assunto pacificamente com você, mas vamos contextualizar cada informação e teoria para que nossos diálogos não fiquem no achismo ou no discurso raso.

    Abraços cara.

    ResponderExcluir
  14. Obrigado Eduardo Marinho. O que se fala sobre Cuba e sua política de saúde é sempre negativo, especialmente patrocinado pelo Tio Sam, e você foi no X da questão, a ganância da indústria da doença/saúde. Acredito no que o vídeo mostra. Você já assistiu a entrevista do médico Pat Adams no programa Roda Viva da TV Cultura? Ele faz denúncias contra essa indústria e coloca sua postura e prática contra isso. Tem no youtube.

    Um abraço amigo.

    ResponderExcluir
  15. fiz uma pergunta num texto anterior, mas não precisa nem responder, esse texto mostra claramente a que veio. "Mas o trabalho da mídia, profundo, constante, faz a maioria rejeitar essa realidade e acreditar que a ilha é um presídio dominado pelos milionários irmãos Castro, ditadores sangüinários que escravizam o povo cubano. " parece que está fazendo a mesma coisa que a midia com discurso inverso, realmente cuba deve ser uma maravilha de se morar, por isso que tanta gente prefere se arriscar com os tubarões à ficar na ilha, podem vir milhares de defensores do fidel que não muda o fato de como vive os cubanos, dos buracos que moram, das mães que tem que se prostituir para poder sustentar seus filhos, do dinheiro que os parentes que migraram para miami mandam para seus familiares e o governo ainda fica com parte dele, que o fidel foi um ditador sanguinario, os estudantes de medicina que lá estão foram selecionados pelo MST que usa manual de guerrilha das farcs, e isso que defende? não vai mudar nada pois o socialismo e impraticavel, me mostre uma só sociedade em que o socialismo foi implantado e funcionou sem injustiças , sem acumulo de renda na mão dos ditadores e seus amigos, onde não deixaram uma Herança de cadaveres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Herança de cadáveres tem aqui à minha volta. Toda semana morrem adolescentes, de tiro.

      Não sei o que você tá lendo aqui, devia continuar lendo o globo e se informar pelo jornal nacional, que é mais de acordo com a tua idéia. Sua afirmações me fazem sorrir tristemente, embora sejam velhas mentiras midiáticas. Se quisesse se informar mesmo, poderia buscar dados da ONU que a mídia jamais divulgaria, recolhidos por comissões internacionais da UNESCO (educação e cultura), da OMS (organização mundial de saúde), da FAO (agricultura e alimentação), entre outras várias. Mas pelo jeito a tua é a mesma dos que odeiam incondicionalmente a ilha, não importa se verdade ou mentira.

      Excluir
    2. Aqui no Brasil não há moral pra falar em injustiça.

      Excluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Senhor Marinho, a ilha de Cuba antes mesmo da Revolução de 59 que depôs o presidente Fulgêncio Batista e instaurou uma ditadura castrista-comunista que já dura há mais de 50 anos, mantinha um padrão educacional exemplar no ranking mundial do período -- assumindo incrivelmente o 8º lugar segundo os dados da UNESCO da época -- e perdendo 10 posições no ranking mundial após a implantação da ditadura castrista-comunista, assumindo atualmente a 18ª posição, isso sem levar em consideração que a educação didática atualmente de Cuba é absolutamente doutrinária, onde é ensinado sistematicamente as crianças desde cedo a idolatrar Che Guevara e a louvar Karl Marx, como se o marxismo fosse a única ideologia inteligente do planeta Terra. Portanto, é uma falácia afirmar que Fidel Castro levou algo de bom para a ilha de Cuba a não ser algo de ruim como o genocídio que dizimou aproximadamente 200.000 vidas humanas em um curto período de tempo, em sua grande maioria camponeses que eram contra o regime ou então que eram considerados "traidores da revolução". Sobre o desabrigamento dos habitantes de Cuba, de fato, ninguém lá é desabrigado, visto que qualquer papelão nas esquinas de Havana é considerado por um cubano como uma moradia aconchegante e quentinha. De fato que a saúde em Cuba é pública e, portanto, o atendimento médico é gratuito, porém é que nem o nosso Sistema Único de Saúde (SUS) onde o paciente é desumanamente atendido -- isso quando é atendido -- e os profissionais de medicina trabalham precariamente, sem a possibilidade de manuseio de nenhum equipamento cirúrgico de qualidade ou avançado, por que simplesmente NÃO existe tais utensílios e a higiene nos consultórios e corredores dos hospitais públicos é lastimável, existe inclusive fotos na internet mostrando pessoas idosas em um hospital cubano abandonadas à mercê, defecadas, feridas e mal-tratadas. O povo cubano é ARMADO? De onde você tirou essa loucura? Não sei de qual fonte você se baseou para alegar essa informação, porém saiba que após o golpe comunista de 59, houve uma grande companha governamental de Fidel Castro estimulando a população para que entregassem as suas armas, tipo o nosso abjeto "Estatuto do Desarmamento", e o resultado dessa campanha foi um genocídio elaborado por parte do governo de Fidel Castro, que como eu já havia dito, dizimou aproximadamente 200.000 vidas humanas, pois o povo não podia mais se defender ao ter aderido a campanha governamental de desarmamento. Não existe o armamento civil em uma ditadura comunista, somente quem tem acesso a essa ferramenta de ataque ou de defesa são os policiais, as Forças Armadas e os capangas do governo comunista de Raul Castro. E sobre os tais dados que são revelados pelos organismos da Organização das Nações Unidas (ONU), saiba que a mídia cubana é absolutamente aparelhada pelo governo cubano e, portanto, ela repassa as informações para os órgãos da ONU conforme o Estado cubano assim desejar que seja, mentindo sobre a real situação social da ilha. No comunismo é assim: o capitalismo é hipocritamente usufruído pelo líder e pelos membros do Partido Comunista, onde comem e se vestem do bom e do melhor em seus palacetes, enquanto o povo agoniza na mais terrível miséria jamais antes vista por alguém, sofrendo as mazelas da escassez que o comunismo de economia plenificada traz.

    ResponderExcluir
  19. A tal de ELAM e uma escola de formar futuros bandidos comunistas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mídia comercial aplaude sua opinião. As convenções desta sociedade em que vivemos, produtora de miséria e criminalidade em nome dos interesses empresariais, que rouba direitos da maioria pra privilegiar minorias ricas e seus serviçais qualificados, aplaudem sua opinião. Afirmações de ódio, vazias de conteúdo, de conhecimento da realidade, que se grita por aí papagaiando a mídia com sua lavagem cerebral em favor da ditadura empresarial, estão de acordo com a ideologia mentirosa que vigora em nossa coletividade dominada. Nada que surpreenda, além de uma mentalidade dessa não estar vendo novela ou os jornais nacionais, as vejas da vida ou qualquer outra superficialidade vazia de conteúdo real. Não entendo o que faz lendo minhas postagens.

      Excluir
  20. Quantas descobertas em um post só. Vou viajar até Cuba para tirar as dúvidas que vocês plantaram em mim. Muito feliz em observar discussões proveitosas, lir praticamente todos os comentários.

    ResponderExcluir
  21. o problema está no governo que rouba impostos e empresários que se unem a eles, não está no capitalismo em si.

    ResponderExcluir
  22. o problema está no governo que rouba impostos e empresários que se unem a eles, não está no capitalismo em si.

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.