segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Vídeo recebido hoje, bom no serviço acendedor - "Abrindo Mentes #01 - Funcionamento do sistema"

Recebi essa arrumação em vídeo de Emmanuel Boeno. É de 2013, não lembro se assisti. Mas vale ver de novo, espalhar de novo, causar reflexões e sentimentos no campo do desenvolvimento humano.

Muito me honra abrir um vídeo que se encerra com o magistral discurso de Chaplin, que ecoa na alma da humanidade, senão clara pelo menos em potencial, no embrião pronto a brotar, ao contrário do que nos faz crer todo um sistema social criado pra nos convencer de mentiras. Ver a realidade como ela é, com seus reflexos em nós mesmos, impregnados de valores falsos, visões distorcidas, sentimentos e comportamentos condicionados em maior ou menor grau, é a base da verdadeira mudança.

Mudança de valores, de comportamentos, mudança de objetivos, de desejos, essas são as mudanças que mudam a vida e mudarão o mundo.

Preciso marcar minha discordância com o título. Não tenho a pretensão de "abrir mentes" e não me considero conhecedor do "funcionamento do sistema" além dos seus resultados óbvios. É o que me empenho em dizer através do meu trabalho, pontos de vista que vou formando, passíveis de erros mas prudentes pra evitá-los. Ninguém abre a mente de ninguém. Cada um abre a sua, por vontade própria, nos momentos próprios, quando as condições favorecem. Posso no máximo oferecer minhas visões e opiniões, minhas opções e meus motivos, no sentido de servirem à reflexão.

No mais o vídeo me tocou o sentimento. Agradeço ao Emmanuel. É uma ótima peça no trabalho de acendimento de consciências.



16 comentários:

  1. Há uma generalização em seu discurso que acho danosa. Ser rico é ruim para a comunidade. Não vejo desta forma. Sempre assisto seus vídeos e leio seu blog, são opiniões muito bem esclarecidas! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com respeito, cada um vê com os olhos que tem. E é seu direito. A meu ver, excessos cobram carências, riqueza material precisa da pobreza material. Ou onde se contratariam os "servidores" da riqueza? A ilusão de "dar empregos" se desfaz com a percepção da exploração cotidiana da pobreza, ao mesmo tempo em que se cria a dependência dessa exploração.

      Excluir
    2. Mandou bem o sujeito que disse "a pobreza é a fonte da riqueza"!! Concordo com ele, onde há riqueza, há exploração!!

      Excluir
  2. Eduardo. Uma pergunta que tem um pouco a ver com o tópico. Você come carne? Considera que não comer carne é uma ferramenta importante contra os padrões dominantes? Não me recordo de ter visto você falar algo sobre isso.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mal é o que sai da boca, não o que entra. Estamos em evolução coletiva e não comer carne não significa evolução, quando há sentimento de superioridade sobre os que comem. O próprio sentimento demonstra a precariedade do espírito.

      Excluir
  3. Boa noite Eduardo.
    Estou passando a acompanhar seu blog e participar por comentários.
    Já te acompanho via Youtube há algum tempo e partilho de grande parte de suas idéias, e o fato de não aceitar o "vencer na vida" que nos é imposto desde que entramos numa "casa de ensino" é o que mais me identifico. Sempre fui claro ao dizer que vencer na vida pra mim é seguir meu coração, impactar a vida das pessoas de alguma forma e quando chegar a hora de partir, olhar para trás de modo satisfatório.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bela reflexão, Renan..."Vencer na vida é seguir meu coração"
      Abrço

      Excluir
  4. Olá Eduardo, ouve esse áudio e me diz qual sua análise sobre ele.

    https://youtu.be/n1vF01_0E3I

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Olá Eduardo, quando você vira para Brasília expor?

    ResponderExcluir
  6. Olá Eduardo, quando você vira para Brasília expor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando for chamado. Preciso de algumas garantias, como passagens ou combustível, um prato de comida por dia pra mim e quem estiver comigo, uma horizontal pra dormir e espaço pra expor os trabalhos.

      Excluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Caraca, veio, eu quase posso tocar as suas palavras de tão reais!! Concordo totalmente sobre essa dependência do qual falas, dependemos da exploração dos pobres para tudo: catar nosso lixo, limpar nossa casa, fazer nossa comida... Eu sempre me senti culpada por essas dependências... Já me libertei de algumas... Lembro que fiquei tocada, na época do filme, com esse depoimento do Pixote: se morrer nasce outro que nem eu, ou melhor ou pior, se morrer vou descansar... Nessa vida não dá para sonhar não...

    ResponderExcluir
  9. vi o video e adorei...o do Chaplin já tinha visto....abrindo mentes....real e atual !

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.