segunda-feira, 4 de setembro de 2017

As entranhas da sociedade

O 'Atlas da Violência' (Ipea - Instituto de Estudos Econômicos Aplicados) diz que 70% dos mortos por armas de fogo são negros e mestiços. O jornalista Boechat se escandaliza. Responsabiliza a "classe política", o "andar de cima", em oposição aos duzentos milhões do "andar de baixo". Mira nas alfândegas, na "negligência" dos agentes do Estado, na perseguição de fronteira aos sacoleiros e não às armas que entram livremente, na preocupação das "autoridades" em "se encher de grana". Atribui às instituições todas as mazelas sociais - e não toca nos verdadeiros controladores de toda a estrutura social e da farsa das "políticas públicas". As tais "delações premiadas" são tratadas como fatos isolados, como revelação de uma relação corrupta, não como o descaramento do modo de funcionamento do Estado, do funcionamento rotineiro das instituições nas relações com os poderes econômicos, em permanente promiscuidade público-privada.

Essas "delações" revelam como o "poder público" se relaciona com empresas, o "poder privado", a naturalidade das propinas e das trocas de favores com o dinheiro e patrimônio público, tanto no Brasil como em outros países. As conseqüências diretas na sociedade - miséria, ignorância, violência e criminalidade - são desligadas das suas causas. Fico pensando se Boechat sabe, percebe essa promiscuidade e não fala porque não pode, ou se ele pensa que vê mesmo as causas da barbárie social em que vivemos nas instituições constituídas, e não nos seus constituidores - mega podres de ricos que chafurdam em privilégios, luxos e poderes acima dos institucionais.

A concentração de riquezas nas mãos de um punhado de podres de ricos coloca poderes irresistíveis nestes parasitas que determinam as "políticas públicas", financiando "políticos", campanhas eleitorais e publicitárias, com a cumplicidade da mídia e seu "jornalismo" distorcedor, tendencioso e construído pra induzir a opinião pública.

O quadro social se explica pelos interesses banqueiro-mega-empresariais - poucas dúzias de pessoas - que amarram o Estado - através das suas "autoridades" -, impedindo o cumprimento da constituição no respeito aos direitos de todos os brasileiros. Impõem a ignorância no ensino público e o modelo enquadrador na educação da parcela - classes médias - com acesso a direitos, conforme os interesses e a mentalidade empresariais. É preciso evitar a reflexão mais profunda sobre a sociedade e seus problemas, superficializando a mentalidade da população. Não se fala sobre harmonia social, a idéia imposta é competição desenfreada e geral, a miséria é a justa punição da incompetência. Os milhões de crianças que já nascem condenadas a essa "incompetência" não são mencionados, não são vistos, não se questiona essa produção infame de excluídos e explorados que resulta nos índices altos de violência e criminalidade. A resposta institucional é falsa, repressão e encarceramento só alimentam os ciclos de barbárie social em que vivemos. Falsa porque imposta por seus causadores.

Investimento pesado em educação, na formação do povo brasileiro, em alimentação e nos serviços públicos seria o melhor "combate" à violência e à criminalidade. É uma evidência óbvia e ignorada, escondida, silenciada e proibida. A estrutura social criminosa dominante se sustenta na ignorância, na desinformação, no roubo de direitos humanos, fundamentais, básicos e constitucionais da maioria esmagadora da população. É proibido investir em educação e cidadania.

É preciso enxergar a realidade como ela é. As soluções surgem a partir daí. É preciso acender as luzes. Soluções serão muitas, variadas e locais, nas bases da sociedade. O momento é de enxergamento. Mostremos uns aos outros, com humildade e espírito de serviço.

14 comentários:

  1. Gostaria que metade da população visse esse texto. Continue com esse papel importantíssimo na sua jornada por aqui, pelo mundo e permita-me compartilhar. ABRAÇO

    ResponderExcluir
  2. Tão importantes são as palavras, quando delas fazem uso um sábio! É uma honra poder presenciar a importância delas através de Eduardo Marinho.

    ResponderExcluir
  3. Grato pela reflexão Eduardo, me fez perceber que o trabalho é, na verdade, interno (nos nossos próprios condicionamentos e visões de mundo)e que quando é sincero e humildade acaba inundando pras pessoas à sua volta. Percebo que ao longo da história sempre houvera manifestações da ignorância e pretensão humana, não creio que vai acabar mas se procurarmos mudar o tratamento e percepção dessa ignorância na nossa própria conduta a vida já ganha outro sabor.

    ResponderExcluir
  4. Eduardo, depois assista esse doc. chamado de "PROPAGANDA". O autor/diretor fez uma sátira de como se fosse um documentário Norte-coreano e mostrando o Ocidente sob a perspectiva deles. Mostra tudo o que vc já cansou de repetir, mas vale a assistida https://www.youtube.com/watch?v=6NMr2VrhmFI

    ResponderExcluir
  5. Eduardo como posso comprar suas obras?vc fica ni rio?local?
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. É muito bom quando vc ler as verdades dita pelo Eduardo M. Esse cara é fera é um verdadeiro Bruce Lee, não é qualquer um que vai com ele não.parabens irmão VC realmente saber como funciona a república brasileira uma fada que logo não enganarar mais ninguém. Valeu pelo lindo texto uma obra prima.

    ResponderExcluir
  7. parabens eduardo pelo seu trabalho, ja acompanho voce desde que vi o primeiro video no youtube, sou de são paulo , gostaria de saber se voce vai estar ou participar de alguma palestra ou evento em são paulo, pois gostaria muito de conhecelo, pessoalmente e se possivel bater um papo, admiro muito seu trabalho forte abraço fico no aguardo.....

    ResponderExcluir
  8. Mostremos uns aos outros com HUMILDADE e espírito de serviço. Tem sido bem difícil não confrontar e não se sentir mais perto dos que estão de certo modo tão cegos mas vamos caminhando..Obrigado pela luz que me deu sobre minhas próprias idéias Marinhos, graças a você puder crescer muito esses últimos anos desde que ouvi suas palavras pela primeira vez.

    ResponderExcluir
  9. Concordo plenamente com seu ponto de vista Eduardo Marinho, quero acrescentar que a luta para conquistarmos um país mais justo será árdua e muitos serão perseguidos por acreditarem que isso é possível. As instituições estão funcionando é verdade mas não para a população que realmente necessita e sim para uns poucos privilegiados, continuarei compartilhando suas ideias com o máximo de pessoas possíveis para que enxerguem a verdade que não é divulgada o pela mídia.

    ResponderExcluir
  10. Amo ver te, ouvir te em seus vídeos e agora ler te.
    Admiro tua capacidade de enxergar as verdades e lutar para que chegem ao maior número possível de brasileiros.
    O Brasil precisa de muitos como vc.

    Tamo junto

    ResponderExcluir
  11. Maravilhoso o texto e necessário para a reflexão. Obrigado por isso, Eduardo.

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.