domingo, 26 de maio de 2019

Pai Inácio, cabeça da Chapada Diamantina.

Vista do alto do Pai Inácio, na cabeça norte da Chapada Diamantina.
Numa função de Lençóis a Palmeiras, entramos na estradinha e subimos o morro de pedra enorme, na beira da estrada. De cima se entende o Suassuna, "a beleza da zona da mata é graciosa, a do nordeste é grandiosa". A gente sente a pequeneza do ser diante da enormidade natural das pedras, dos grandes espaços, do horizonte longínquo. Muitas fotos foram tiradas, essas são as minhas.

A estrada por onde passávamos, entre Lençóis e Palmeiras, na sombra do Pai Inácio.
Ao sul, o Vale do Capão adentra pela Chapada Diamantina, que vai até o sul da Bahia.
Hare em função, na beira do abismo. A mão do violão é do Ravi.
Ravi, Satya e Hare no alto do Pai Inácio.
Entre as funções da viagem, uma parada pra alimentar o espírito de beleza grandiosa, de espaço, cor e ar. Pelo caminho que fizemos, pela passagem que passamos acabamos dando a volta na entrada. Soubemos depois e longe dali, que cobram doze reais por pessoa pra subir no morrão. Fomos poupados por ignorância. Mas ia ser um desfalque, em seis pessoas. Uma refeição pra todos.

14 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Lindo lugar, realmente grandioso. O olhar do fotógrafo também. Isso sim é saber viver! Forte abraço

    ResponderExcluir
  3. Olá Eduardo, tudo bem?
    Acabei de assistir alguns vídeos seu pelo YouTube e cheguei até compartilhar um vídeo que achei muito bom, Eduardo também assistir um vídeo onde você coloca sua opinião em relação ao atual presidente onde você fala que as coisas iriam piorar muito, pelo fato que ele é racista, homofobico, machista... e por aí vai. O que você está achando? Piorou? Me perdoe por entrar nesse assunto aqui, mas gostaria muito em saber sua opinião. Continue assim buscando sua felicidade e espero pode te conhecer pessoalmente. Abraços.

    ResponderExcluir

  4. Da perspectiva do eu pessoal a gente sente a pequeneza do ser,e diante a enormidade natural das pedras e do espaço infinito a gente sente a imensidão do ser e de Ser.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Essa sensação de "pequenez diante do enorme" me persuadi a acreditar em um Ser maior e que devemos respeita-lo por reciprocidade, Por que? Bom Ele nos respeita primeiro, enquanto não nos transfoma em poeima cósmica em trilésimos de segundos, ou quando nos permite continuar "evoluindo a ruina" e não nos tira o poder de sentir o amor, e de se reproduzir e gerar novos seres, e esses se sentirem amados por isso, quando sentimos afeto, ou não concorda que o amor fraternal o toca, como o ar toca uma pluma, ou como um feto paira no intre de um ventre? É lindo! E por ser lindo, por sentirmos tudo isso, sou impelido em acreditar que esse Ser Maior, que emana toda essa energia, também sente isso, Acredito que ele nos sente por dentro, como seres individuais numa gama de espiritualidade imensurável, insondável e que nunca saberemos como isso acontecesse de fato, e estamos fadado a isso, a aceitar sem ao menos entender plenamente, a acreditar sem ver, a ter fé muitas vezes sem esperança.
    Certa vez ouvi uma "figura" dizer:"É muita pretensão da nossa parte, acreditar que estamos em ligação com o ser supremo que criou tudo isso", então isso me fez pensar que é ainda mais pretencioso acreditar que esse ser Existe, e ainda assim, achar que ele não tem a capacidade de estar em ligação com cada um de nós.
    Isso é um pouco do que acredito.
    Agradeço pela pauta.
    Por:R.

    ResponderExcluir
  8. Olá Eduardo, parabéns pela sua espontaneidade de falar o que pensa, através das observações. Você inspira muitas pessoas, seu trabalho está show, nós devemos demais a você, por abrilhantar tantas mentes.

    ResponderExcluir
  9. Parabéns, de verdade. Como seria bom se no mundo as pessoas despertassem para a vida. Mais infelizmente muitos morrerão na ignorância, sem se dar a chance a si próprio, da mudança.

    ResponderExcluir
  10. Sinceramente, gostaria de te encontrar um dia, pra gente trocar uma idéia cara. pois você me inspira demais. Parabéns.

    ResponderExcluir
  11. Não importa o tamanho da pedra. Para ela, seremos sempre seres efêmeros. Lindas fotos. Poesia em imagens. Obrigado por compartilhar.

    ResponderExcluir
  12. Vou mostrar para muitos angolanos aqui no meu país Angola, quão aberta é a sua mente.

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.