domingo, 7 de outubro de 2018

A carona do juiz

Uma vez, na Dutra, eu ia de Resende pro Rio, de carona e à noite. Parou um carro, corri como se deve quando pára um carro, carregando a mochila. A porta abriu, o cara acendeu a luz, vi um cara simpático, "bem vestido". Vai pra onde? Pro Rio. É pra lá que eu vou. Então dá licença. E sentei no banco do carona, mochila entre as pernas. Reparei que tinha um cabide na janela atrás do motorista, coberto com um plástico, imaginei um paletó. E era mesmo. Como sempre, me disponho a conversar nas caronas, quem dá carona tá a fim de papo e esse era meu dever, que eu cumpria com prazer. Muitas histórias ouvi, contei e vivi em tantos anos. Falamos sobre a sociedade, as injustiças sociais, as mentiras midiáticas, fui vendo que o cara era bem esclarecido. Mas o linguajar o denunciava. Acabei perguntando se ele era da área jurídica. Ele, me pareceu que um pouco constrangido, revelou que era juiz. Eu era um hippie, na visão dele, a quem ele tava dando uma carona. Eu olhei bem pra ele, tínhamos falado da brutalidade policial - com alguns exemplos práticos que eu contei, acontecidos na minha vida -, da distância que o sistema jurídico tinha de qualquer idéia de justiça, envolvido em interesses econômicos, em manipulações de leis, "malabarismos jurídicos", e da realidade que vive a base da sociedade. Estava numa situação bem humana, não reconhecia nele nenhuma superioridade sobre mim, era uma pessoa que tava me dando uma carona, eu era quem era, ele era o que ele era, não me importava o que fosse. Nem passou pela minha cabeça me conter pra falar. Eu olhava de igual pra igual, de pessoa pra pessoa. Juiz? Tu é juiz? Ele confirmou com a cabeça. Tu não sente uma vergonha social, não? Ele sorriu. Entendeu o que eu dizia. Sinto, sim. Conhece a associação juízes pela democracia?, ele perguntou. Não, nunca nem ouvi falar. Ele me deu um cartão, se informe, tem exceções no meio jurídico também. Depois vi, uma associação desconsiderada no meio jurídico predominante, ironizada, tolerada como fora da realidade, marginalizados de elite, com direitos e privilégios sociais, o que aumenta, a meu ver, a responsabilidade social. A aversão da mentalidade dominante sinaliza o que tem de bom na sociedade, a difamação e o preconceito muitas vezes caem em cima do que há de humanista, de sensível à realidade e conscientizador, espalhador de luzes sobre as trevas de ignorância lançadas nos olhos da sociedade como um todo. Foi um de tantos encontros, nunca mais vi o cara.

9 comentários:

  1. Oi Eduardo, qual sua opiniao sobre o cenario politico Haddad x Bolsonaro?

    ResponderExcluir
  2. Nos é ensinado que quem sabe mais de leis se torna a lei. E por isso eu como leiga abaixo a cabeça e obedeço.

    ResponderExcluir
  3. Eduardo, eu quero muito te conhecer pessoalmente. Por onde você anda ?

    ResponderExcluir
  4. Boa noite xará, me chamo Eduardo e sou seu fã, tenho visto muitos vídeos seus e tem de alguma forma me ajudado a refletir melhor sobre a vida . Sou carioca como você a vida me trouxe a Santa Catarina , onde moto a cerca de 12 anos e trabalho atualmente como motoboy . Ando na rua o dia todo e também sinto o mesmo que você tendo esse contato com humanos o tempo todo. É bem enriquecedor !quando for vir pra Santa Catarina avisa , moro em Joinville.

    ResponderExcluir
  5. Eduardo vc é demais , te descobri a pouco ,mas me indentifiquei de cara com tua fala , vc tá me ajudando muito a refletir sobre o que é a vida,o que vim fazer aqui e pq .Gratidão enorme , quero ainda poder te conhecer e vê seus trabalhos de perto , qdo vem aqui pro interior de sp ? Bjao

    ResponderExcluir
  6. Esse aí era "povão". Sensivel, Humano, dava e recebia afeto e coloca a vida por cima de tudo. Eu nao tenho planos pra viver ate a velhice, tenho 25 e já tô pensando em adiantar a minha passagem ( morte) mas vou partir xono vitorioso e lúcido, sem a utopia de ser rico e entendendo bem que devemos ser humanos de verdade.

    ResponderExcluir
  7. Não sou teu fã, porque você não necessita disso. Mas, obrigado pelos ensinamentos. Te comparo a Diógenes.

    ResponderExcluir
  8. Legal perceber o naipe do cara.
    A experiência leva a isso.
    A falta do que desenvolver em conversa também evidência a mecanicidade da vida daqueles que sobrevivem pelo sistema e para ele.
    Abraços.

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.