domingo, 10 de fevereiro de 2019

Desarmando



Há pessoas que têm opiniões preconceituosas, teleguiadas, superficiais, e lançam essas opiniões com eloqüência, como desafios. Não contentes em mostrar barbaridades em forma de idéias, cobram concordância, “você não acha!?”, sempre em tom agressivo. É o convite à disputa, ao conflito, ao confronto, que afinal levará aos insultos, à briga, às ofensas sem medidas. Levantar a poeira pra não se enxergar razões e clarezas.

Quando encontro pessoas assim, não contraponho diretamente minha idéia. Aqui é preciso perceber se a terra tem fertilidade ou é árida. Se há condições de conversar ou não, no temperamento, na maneira de ser, na conduta, no olhar. Não se plantam sementes no deserto, há pessoas ainda no estágio “inconversável”.

Se houver espaço - e respeito - digo apenas que vejo de forma diferente, mas respeito sua forma de ver e prefiro nem dizer o que penso, pra não ter conflito ou mal estar - não tenho a menor necessidade de dar meu ponto de vista. Em geral ela diz que também respeita, que eu posso falar, mas se sente ainda a prontidão pro debate. Sigo então o desarmamento. Reafirmo meu respeito à sua opinião - “não quero dizer que tá errado, sei muito bem que também posso estar errado na minha maneira de ver”. Peço à pessoa pra observar minha visão e digo que, se ela encontrar alguma falha no meu pensamento, que me mostre. Eu mudo imediatamente de pensamento e agradeço pro ela ter me tirado do erro.

Aí ela vai receber minha idéia não como uma contraposição, não como uma afirmação do seu erro, mas como uma exposição que ela vai analisar livremente, procurando as falhas. Se eu souber expor direitinho, se eu souber evitar as “palavras-chaves” que detonam a repulsa, condicionadas no inconsciente coletivo pelo trabalho massacrante da mídia, se eu convocar a humanidade dela pra acompanhar meu raciocínio, ela não vai encontrar falhas e vai concluir como frequentemente se conclui, “não tinha visto por esse lado”. Tá cumprida a função, depois de desarmado o espírito.

8 comentários:

  1. Olá, gostaria de saber se o senhor sabe alguma forma de cortar os valores implantados pela mídia. Tento ver se o que eu quero, faço, gosto e etc são características individuais ou se são só mais frutos implantados socialmente pra deixar ricos ainda mais ricos.
    Agradecida. Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi Eduardo, tô te conhecendo agora, mas sei que faz tempo que semeias tuas ideias que, diga-se de passagem, refletem muito do que sinto da realidade. Fizeste o caminho contrário ao que tantos de nós buscamos, por achar que merecemos mais do que invisibilidade e pobreza. Te respeito por buscar o essencial, por se desnudar da roupagem da arrogância e superioridade. Fico feliz por existir um ser humano como você! Conhece Fortaleza? Seria massa te trazer para conversar com alunos e professores da escola pública que coordeno. Ah, quero saber como adquirir uma camiseta com a frase: Por tão poucos terem tanto é que tantos tem tao pouco!! Beijo no teu coração!!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelas palavras! A aridez no coração das pessoas cresceu perceptivelmente, suas palavras me fazem mudar o jeito de encarar situações diárias, abraços!

    ResponderExcluir
  4. parabems pelo esclarecimento: pois assim desarmando o espirito da pessoa que já se coloca em uma situação de disputa de ideias, abre-se uma porta para a reflexição e não para uma contra-posição. admiro muito sua pessoa pois morei na rua por um tempo (por outros motivos) mais foi onde encontrei pessoas que me ensinaram que dinheiro mais do que se precisa e maldição e que a desemformaçao da grande massa populacional nao era uma mero acaso nem uma escolha da grande massa e sim uma situaçao imposta com a finalidade de obter o controle dessa grande massa. parabems pela sua coragem motivada pelo medo de uma vida controlada e imfeliz comcerteza voce nao e um marco um Deus mais comcerteza e um grande exemplo

    ResponderExcluir
  5. Ê aí cara profundo respeito por ti quando vier para o sul pur favor me avisa sou do sul do Paraná vem aki tomar um chimarrão na terra do mate com orgulho e do xisto com tristeza São Mateus do Sul te aguardo abraço!!!

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.