terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Roubo em Santa Maria

Ontem, dia 4 de fevereiro, foi roubado o meu computador. Em Santa Maria, à luz do dia, enquanto estávamos almoçando. A noite havia passado e a kombi estava intocada, estive nela e conferi de manhã, nenhuma entrada ou tentativa tinha sido feita, como sempre. Celestina, a kombi, não é de chamar a atenção cobiçosa, velha e cheia de cicatrizes que é, ao contrário, desperta mais simpatia que olho grande.
Por volta das duas da tarde saímos pra almoçar, antes de partir pra Passo Fundo, eu carregava tudo o que era meu, a mochila pequena e a pastinha com o computador e o agadê com todo o material gravado pro filme Via Celestina, mais um monte de material de trabalho, textos, vídeos, áudios, gravações no rio Doce, muita coisa publicada e a publicar, além de coisas pessoais, fotos de todo o tipo. Arquivos sem conta, textos inacabados, fotos esperando os temas pra serem publicadas, idéias, esboços, acontecimentos, registros, fotos de família.
O restaurante era perto, fomos a pé. Abri a kombi e coloquei a pasta no seu lugar de sempre, no chão, junto ao freio de mão, ao lado dos pedais, e levei a pequena mochila comigo. Não me preocupei em trancar. Em pouco mais de uma hora, voltamos. A janela do motorista estava aberta, conferi o local e vi que não estava mais a pastinha. Frio na barriga, certeza do roubo. Alguém enfiou a mão pelo quebra-vento, abriu a janela e nem se deu ao trabalho abrir a porta - o pino permaneceu abaixado. Debruçou pra dentro e retirou a pasta. Ela não estava mais lá, e o vazio doeu no coração, muita coisa perdida.
Em princípio imaginei que algum cracudo perdido tinha visto a possibilidade de arrumar dinheiro pra comprar suas pedras. Depois, conferindo as coisas, percebi que nada mais havia sido tocado. Havia grana da mochila grande, havia câmeras, microfones e outros equipamentos, no porta-luvas estava bem visível uma caixa de som cilíndrica. Estava tudo em seu lugar, intocado, nada além do computador sumiu. Considerei o horário, entre duas e quatro da tarde, em plena luz do dia em uma rua movimentada do centro de Santa Maria, a Tuiuti, em frente ao número 2450, trecho de passagem intensa de veículos. Cracudos são da noite, do silêncio, do vazio. A possibilidade de agirem nesse horário é muito pequena, embora exista. A luz do dia, o movimento intenso do lugar, a passagem de gente inibem a ação desses restos sociais, dessas vítimas do abandono coletivo que se tornam zumbis nas noites.
Outra possibilidade surge, entre tantas. Renato, nosso anfitrião, abriu a casa nos dias em que estivemos abrigados e encheu o ambiente nas noites. Muitas pessoas passaram por ali, tomando cerveja, ouvindo música e conversando. Nem todos vibravam honestidade, vi muitos olhares vazios de sinceridade e atitudes confirmando. Trouxemos a cerveja que tomaríamos, como se deve, e esses simplesmente metiam a mão, sem perguntar ou avisar, e iam tomando como se fosse natural pegar o que não é seu e fazer uso como se fosse. Duas vezes tomei a garrafa de mãos folgadas, as duas últimas pelo menos. Houve algum mal estar, mas eu estava no meu direito e não abri mão. Perguntei ao Renato e ele não conhecia as figuras direito, não tinha convívio. Abrira a casa, simplesmente, e permitira a entrada. E a gente sente a vibração, havia gente boa e gente nem tanto, dissimulações e superficialidades se exibiam aos nossos olhos, na segunda noite estávamos visivelmente deslocados da maior parte das pessoas. Foi no dia seguinte.
Juntando os sinais, há possibilidade de ter sido observado ao sair de casa, visto colocando a pasta no chão da kombi. E esse ladrão veio na finalidade mesmo do computador, na cobiça dos meus arquivos, das coisas que tenho guardadas, por conta dessa visibilidade que surgiu, que nunca foi meu objetivo e que acho uma bobagem, um exagero na sociedade do “celebrismo”, mas que cria um olhar diferente em muita gente. Vi vários desses olhares “estranhos” na nossa direção, a intuição vibrou intenções desequilibradas algumas vezes. Não se pode ter certeza, mas os indícios alimentam essa possibilidade.
Santa Maria nos recebeu de braços abertos, fomos muito bem acolhidos nos lugares onde ficamos, entre a casa do Renato e a casa nove, onde projetamos o filme e trocamos idéias. Os encontros foram férteis, muitas exceções às regras compareceram nos dois eventos feitos por aqui. Apelo aos amigos pra ficarem atentos, quem sabe aparecem os sinais, os indícios, e o computador aparece? Os que têm contato com o submundo social, onde tudo pode ser revelado, têm acesso a informações das internas, por aí se pode conseguir. Se fosse obra de cracudos, tudo seria simplesmente apagado pra que se pudesse vender como se fosse novo, tanto o computador quanto o agadê. Mas acredito ter sido intencionado, mirado na minha pessoa, cobiça em cima dessa idiotice de “celebridade”.
Segue a vida, não é a primeira, nem a maior perda com que tive que tratar. O sentimento é mais de perda coletiva, acima das perdas pessoais. Muito trabalho em curso, muito arquivo precioso, muita coisa. Mas ficam braços, pernas, cabeça, o trampo continua. Perdas são percalços a serem superados, a gente não pode sentar pra se lamentar, o lamento é interno e deve aumentar a disposição pra fazer mais e mais, tudo novo já que o feito se foi. Mas é impossível não esperar, torcendo, que alguém descubra o paradeiro desse material, embora a consciência da possibilidade pequena.
Celestina, a kombi, no sertão da Bahia.
Estamos saindo de Santa Maria pra Passo Fundo, hoje. Não registramos B.O. em polícia, o nosso trato com esses profissionais é sempre na condição de “suspeitos”, no começo mesmo dessa viagem fomos abordados violentamente em Piraí, sob a desconfiança de que éramos ladrões de cargas, num posto de caminhoneiros. Assim como não confio no Estado, não confio em nenhuma das suas instituições. Prefiro confiar nos invisíveis e na boa vontade das pessoas de caráter. Nos “acasos” e “coincidências” da vida. Não me espantaria se alguém entrasse em contato dizendo que encontraram meu computador. O que não posso é me fiar nisso, a realidade é que todo esse material não está mais comigo. Só que a esperança é teimosa e persiste. Se a expectativa é indevida, só o tempo vai dizer. E nós não vamos esperar sentados, é muita coisa pra fazer e temos a necessidade de seguir fazendo. As fatalidades a gente tem que encarar, superar e continuar dando o mesmo sentido à vida.

Se alguém tiver a manha de localizar, o IP do computador roubado é 189.103.7.164, uma esperança.

56 comentários:

  1. Que pena! Espero que consiga recuperar o material. Se não conseguir, bola pra frente! O importante é continuar a ter ideias pra produzir mais!

    ResponderExcluir
  2. Putz cara... Que sacanagem... Triste mesmo. Tomara que apareça. Mas seria bom ir pensando numa estratégia de ter teus arquivos armazenados na nuvem, ao menos os mais importantes. Agora é fácil falar, mas é normal acontecer de pifar um hd, e aí tudo que nele está gravado. Então, sem querer ser chato mas já sendo, tenha um backup (ou, como tu escreveria, becap)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plebaplepl com oque disseste, mas por que ele escreveria becap e não backup?

      Excluir
    2. pq ele escreveu agadê no texto se referindo ao HD

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. A inveja é uma MERDA!
    Foda são os arquivos, o computador se compra, se ganha, mas é como tu disse , continuar dando sentido a vida! Se cuidem fiquem bem, daqui fica tbm a minha esperança que encontrem!

    ResponderExcluir
  5. Que merda essa invasão e a perda do material do trabalho de vocês que é tão consciente ! Torço para que recuperem e logo. Sinto muito mesmo . E torcendo aqui também pra que tenham o original de “via Celestina “ salvo!
    ( É sempre uma lição estar atento aos sinais) , por outro lado o que é teu é interno e ninguém toma ! Força a toda equipe. Força Eduardo . E paz.

    ResponderExcluir
  6. Irmão, que pena. Se os fatos se desenrolaram da forma como você desconfia, é de uma falta de capacidade e inveja que vou te contar... Mas pior para eles. Eles é que vão ter que se suportar para o resto de suas vidas vazias.

    ResponderExcluir
  7. Você vem para Porto Alegre?Quando?

    ResponderExcluir
  8. Putz... Tô sem ar aqui, uma perda sem tamanho, vou fazer umas macumbíneas aqui numa que apareça e a frustração se transforme numa alegria de criança - VAI APARECER!!

    ResponderExcluir
  9. Espero que recupere todo esse trabalho já construído que vinha fazendo. De qualquer forma, segue o baile, tem muito mais pra mostrar!

    ResponderExcluir
  10. Como você mesmo disse, não é isso que vai te parar, porém, sinto muito por essa perda coletiva .

    ResponderExcluir
  11. Poxa vida, coração partido.
    Como a maldade humana vai além da cobiça e ganância capitalista. O que incomoda mesmo é a paz que não conseguem ter.
    Que volte pra ti, todo bem que trafegam por ai, vc Hare e toda galera. 🙌

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Olá Eduardo.
    Não sei se você concorda, mas eu acho que você deve providenciar um boletim de ocorrência.
    Isso vai lhe proteger de diversos problemas. Acredito eu. Mas, pense bem nesta necessidade de tirar este BO, pois você vai ficar com seus direitos todos reservados e garantidos.

    ResponderExcluir
  14. Poxa Eduardo.. que tristeza cara.. Infelizmente ainda existe pessoas assim. O certo era ter um backup dos arquivos na nuvem mas enfim.. agora ja foi... Quem sabe se vendo tudo o que tinha de bacana a pessoa nao se sensibilize e devolva em algum lugar... Se não há mais nada pratico a fazer e melhor ter esperança do que nao ter... Quanto ao IP, parece ser um IP de operadora. Ele acessava a internet como? Conectava nas redes das casas que vocês iam ou através de modem 3G?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em casas, postos de gasolina, restaurantes, em uaifais pelos caminhos.

      Excluir
  15. Po que sacanagem velho, desejo do fundo do meu coração que vocês consigam encontrar o computador com todo o meterial contido, e que de uma certa forma o trampo de vocês nao tenha sido em vão. Positividade sempre!

    ResponderExcluir
  16. Fiz a pesquisa agora, 21:15h, e o resultado e esse daí, nas imagens que vou te passar via e-mail, ok? Espero que ajude! Forca!!

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Me entristece acontecer justo aqui na minha cidade. Espero que achem logo os responsáveis pelo roubo. Grande abraço irmão!

    ResponderExcluir
  19. Salve salve triste sena, mas mais triste ainda pra mim foi ler a forma que se referio aos usuarios de substancias ilicitas e também de infelizmente ver na escrita que a primeira suspeita são sempre os mesmos probres, como se a galera que tem grana não fosse capaz de roubar e isso aparece no texto mas como uma segunda hipotese. É a forma que se referio ao usuário so aumentam ainda mais os esteriotipos e preconceitos que tanto tentamos desconstruir, voce estava no encontro das Ruas as redes em 2017 em santa maria aonde tinham muitos usuarios de substancia, um evento lindo, aonde nao houveram roubos, perdas, brigas. Espero muito que você possa recuperar seu material e que possamos continuar acompanhando teu trabalho e fazendo "trocas" de conhecimento abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não criei esses restos humanos da sociedade desumana em que vivemos. Essa multidão de abandonados é criação social. E não é responsável pela situação, mas vítima e reage de acordo. Não há julgamento, há percepção. Além de que já houve uma invasão na madrugada e o que foi levado voltou da boca onde foi trocado por pedras de crack. Por sorte éramos conhecidos na área e tudo voltou às nossas mãos. E tinha sido um cracudo mesmo. Confundir isso com preconceito é superficialidade mental.

      Excluir
  20. Eduardo, fiz uma pesquisa agora 10h09 06/02/2019. Vários localizadores levaram para este local, mas não tenho certeza. Achei estranho, por ser no meio do nada...
    https://www.google.com/maps/place/29%C2%B046'27.1%22S+53%C2%B049'39.4%22W/@-29.7744785,-53.828036,200m/data=!3m1!1e3!4m5!3m4!1s0x0:0x0!8m2!3d-29.7742004!4d-53.8275986?hl=pt-BR

    ResponderExcluir
  21. Nossa! Que horrível isso! Na torcida para que consiga de volta todo teu material! Tudo o que vai tem volta. Tanto para quem perdeu como para quem roubou. Foi um prazer conhecer vc pessoalmente. Vc é fonte de inspiração!

    ResponderExcluir
  22. Que bom saber que ainda vive. No YouTube tem vídeos de há 2 anos.

    ResponderExcluir
  23. O Sistema vai te destruir através da nicotina. Observei nos vídeos os tragos de cigarro. A nicotina é terrível na saúde humana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daqui ninguém sai vivo, irmãzinha. E morrer não é ser destruído. Já vivi muito mais do que pensava, não tenho a menor culpa, nem constrangimento em fumar. Estou num mundo primitivo, grosseiro, envenenado e envenenador e eu sou tão primitivo, grosseiro e envenenado quanto meu mundo. Recuso sentimentos de superioridade e acho graça dos julgamento dos superiores... porque pra julgar é preciso se sentir superior. E, na minha opinião, esse sentimento é um veneno espiritual pior do que fumar.

      Excluir
    2. Só quero o teu bem. Você ficar com saúde. Não falei por superioridade. Siga nesta tua força...Fica em paz com Deus.

      Excluir
    3. Fica em paz com o próximo. Estás no caminho certo. Jesus era entre os humildes.

      Excluir
  24. Quanto às percas materiais que Deus o ajude a recuperar os arquivos, seus trabalhos. Que o Espírito Santo abra teus olhos e ouvidos espirituais por onde quer que andares. Os sentimentos expressos em teus vídeos ao analisar o sistema a partir do que vivencia junto com os mais pobres lembram Jesus que esteve entre eles e o próprio Jesus disse que é mais fácil um camelo passar no fundo de uma agulha do que um rico entrar no Reino dos Céus. Jesus falou às pessoas humildes que estavam perdidas não só do sistema, mas da salvação da alma e Jesus passou essa mensagem da chegada do Reino de Deus. Jesus era o próprio Deus. Jesus disse: O mundo jaz no maligno; meu Reino não é daqui. Por isso Jesus não questionou o sistema (e os judeus se decepcionaram) Ele ofereceu a vida eterna, celestial que a imaginação humana jamais vai alcançar do que Jesus tem preparado para nós.
    Jesus tem várias parábolas na Bíblia e o Reino dos Céus é para aquele que crer que Ele deu seu sangue e vida na cruz para perdoar nossos pecados dar vida eterna.
    Teu trabalho e vida com os humildes é lindo. Leia a Bíblia e conheça Jesus, os 4 Evangelhos no Novo Testamento e encontro um sentido para tua vida e demais pessoas.
    Jesus te ama incondicionalmente.

    ResponderExcluir
  25. Todo computador tem um código e ao ligado na net dar a localização. Alguém tem habilidades para rastrear.

    ResponderExcluir
  26. Poxa Eduardo, que foda isso! Fica aqui a energia positiva para que num desses "acasos" e "coincidências" da vida, o computador apareça... Um abraço. Estamos contigo.

    ResponderExcluir
  27. Qur chato amigo,mas sei que o fato ocorrido está longe de te abalar...um forte abraço.

    ResponderExcluir
  28. Ihhh Edu!
    inevitável a sensação de perda coletiva.
    Mas como vc sabe muito bem,absolutamente nada é por acaso.Nada.
    Tudo tem o ´´dedo do Supremo, do Absoluto...ou sei lá que nome dar à Isso...`` o Universo tá sempre no movimento do Amor e da completude.
    Edu... vem dar uma volta e desfrutar das belezas e do sossego gostoso da Chapada dos Veadeiros....mais precisamente..Cavalcante Goiás.
    Abraços...
    Amor e luz.

    ResponderExcluir
  29. Amigo , seu computador eh vc
    Está tudo dentro da sua cabeça e do seu coração ! Se não encontrar o jeito eh recomeçar e com certeza vc vai fazer tudo novamente talvez não igual , mas melhor ! Sorte !

    ResponderExcluir
  30. Sinto muito por tu ter tido teu computador roubado, mas, cracudos? Zumbis? Submundo social?
    Desconfiar das pessoas que quiseram ir te ouvir por "sentir uma energia estranha". Se eu tivesse lá me ofenderia. "Pq possuo uma pseudo fama". Ler isso e ver que a tua primeira suspeita foram pessoas que usam substâncias me impactou bastante e me fez pensar sobre essas leituras de mundo que tu faz, não é nem por eu ter uma leitura diferente mas pelo lugar mesmo em que tu colocou a galera.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu acha mesmo que fui eu quem colocou "a galera" no lugar de abandono, de lixo social? Na madrugada, essa solidão, esse isolamento, esse abandono zanza pelos escuros. Perceber isso não é criar isso. A desumanidade social se apresenta nas atitudes das vítimas desse crime social multifacetado. Tua visão é de superfície e teu julgamento, além de arrogante, é superficial. As razões primeiras da miséria estão nos privilégios.

      Excluir
    2. Reconheço que a razão de tantas pessoas estarem em uma situação de vulnerabilidade social e de abandono é a desigualdade e o fato de poucas terem muitos privilégios. O que critiquei no meu comentário foi a tua falta de sutileza ao se referir à elas, usando adjetivos que, ao meu ver, foram mal escolhidos. Como se quem tem dinheiro não fosse capaz de roubar também. Te acompanho há 4 anos e compactuo com muitas das tuas ideias, longe de mim querer ser a dona da razão e se soei como arrogante não foi a intenção. Abraço.

      Excluir

    3. Oi Lia....cracudo, Zumbis, Submundo social...são expresões que não desqualificam ninguém,são apenas palavras de referências, completamente comuns nas ruas e na sociedade.Talvez vc nunca tenha dormido nas ruas, por isso pra vc soe como julgamentos.Mas se refere às condições em que muitos têm andado e se comportam.E a sua leitura em relação à isso não será diferente do Eduardo, se vc tiver disposição de conviver e dormir perto de cracudos, zumbis....obviamente eles são pessoas como nós, mas estão doentes e agem como tal...e as palavras para traduzir isso de certa forma são essas...que te assustaram.Mas se vc está assustada com as palavras...imagina conviver com a situação?

      Excluir
  31. Cara você é genial! Trabalho com programação, estamos montando um colaborativo aqui em Florianópolis, como trabalho na área de TI, estamos fazendo com que informações de pessoas como você chegue em massa para população, não sou formado, sou auto didata, não confio nas instituições. Sempre pensei como você, agora te achei, seria um prazer escutar o que você tem a falar, se vier em Florianópolis um dia avisa!
    Nossa missão, é levar conhecimento, opções, no velho estilo hobbin hood, pode não ser o melhor, mas é o que tem pra hoje!

    ResponderExcluir
  32. É com muita tristeza que leio esse texto. Como não podemos acompanhar pessoalmente, então acompanhamos as viagens, experiências e vivências por aqui e pelas redes sociais. E saber dessa perda coletiva me deixa com esse sentimento de vazio. É uma perda, porém é apenas matéria e entendo que o sentimento é parte do aprendizado. Torço para que consiga recuperar o material, porém se não acontecer logo você terá muito mais, pois tem o que precisa para faze-lo. Luz na caminhada Eduardo!

    ResponderExcluir
  33. Velho, o meu medo é alguém atentar contra seu "computador orgânico".

    ResponderExcluir
  34. Eu entrei em um site de rastreador de IP, e aqui constou que seu pc ta em são sepe, perto de Santa Maria onde voce estava...
    O site é https://www.localizaip.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entrei em outros sites, porém constam que estão em santa maria também, entao nao sei como ajudar
      até

      Excluir
    2. Valeu, Yam, agradeço teu interesse.

      Excluir
  35. CARA EU TE ADMIRO MUITO, GOSTARIA DE LHE CONHECER E COMPRAR ALGUNS TRABALHOS SEU. ENTRE EM CONTATO COMIGO PARA NEGOCIARMOS. arielpnn2@hotmail.com PARABENS PELO EXCELENTE TRABALHO!!!!

    ResponderExcluir
  36. Vc é fera demais, um ser humano iluminado.

    ResponderExcluir
  37. O olhar e a suas ideias são coisas que ninguém pode roubar

    Continue firme. Forte Abraço

    ResponderExcluir

  38. Em muitos momentos de minha vida sempre me perguntei, Como seria o Jesus Cristo de hoje? Quais seriam seus ensinamentos? Como seriam suas pregações? Qual seria seu estilo de vida? Depois que eu conheci esse cara, todas essas perguntas foram respondidas.

    ResponderExcluir
  39. Estou amando as palestras e o blog, muito obrigado por você existir..

    ResponderExcluir
  40. Oi Eduardo, sou Magda Dias, professora de Sociologia. Faz um tempo que vejo seus vídeos. Nossa! Pela primeira vez vejo uma pessoa que pensa e age conforme sua visão de mundo. Muito difícil viver pra fora dessa forma social, dentro dela. Tentativa difícil, mas, tenho certeza,que viver essa liberdade vale muito a pena. Vc é o tipo de pessoa que gostaria de ouvir! Aproveito para desejar-lhe sorte na recuperação de seu material. Abraços fraternos!

    ResponderExcluir
  41. Eduardo parabens,eu também abandonei os vícios sociais.
    Eu tinha 11 anos quando resolvi fazer isso.

    ResponderExcluir
  42. Grande Eduardo, teve na minha cidade mas nem te conhecia, quando voltar quero puder ti ver um abraço irmao

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.