sábado, 19 de outubro de 2019

Coentro retira metais pesados do corpo

São tempos de metais pesados. Na água, no ar, na comida, pela pele adentro. Por isso é que se precisa do coentro. Ele retira metais pesados do corpo, do sangue, dos tecidos, é a informação que rola.

A passagem pelo rio Doce, duas vezes em dois anos, foi marcante. Reveladora dos valores nesta sociedade onde a vida está num plano tão evidentemente secundário que choca a sensibilidade mesmo havendo a consciência de tal disposição, de tal estrutura social, desumana, perversa, capaz de qualquer coisa "possível" em nome de interesses econômicos, empresariais. Inclusive transformando a política, a administração pública, os poderes do Estado em marionetes, em instrumento, em uma farsa institucional que trai cotidianamente a população, dominada nos bastidores, em círculos acima dos poderes públicos, a partir do mercado econômico-financeiro, do punhado de podres de ricos mundiais e seus cúmplices, agentes e beneficiários regionais e locais, elites privilegiadas que usufruem das injustiças e falcatruas sociais.

Na primeira viagem, a barragem de Fundão acabara de romper, havia menos de um mês, e nós começamos em Mariana, invadindo o distrito de Bento Rodrigues* - os acessos estavam embarreirados e a área estava sob controle da segurança da Samarco, mineradora testa da Vale, o terror dos povos originários e ribeirinhos, a população em geral do vale do rio Doce - e depois passando em todas as localidades ao longo do percurso dessa onda descomunal de rejeitos da mineração, metais pesados de todo o tipo, altamente cancerígenos. Desde o rio Gualaxo do Norte, coberto e destruído, passando pelo rio do Carmo, que continua "limpo" no centro de Mariana, mais de vinte quilômetros acima do despejo venenoso, segue ainda oitenta quilômetros serra abaixo até Barra Longa, depois mais dez, onde se junta ao rio Piranga pra formar o rio Doce*.

Em Barra Longa a maré do metal pesado cobriu a área de lazer da cidade, à beira rio. Chegamos à noite lá e no dia seguinte vimos tratores limpando, recolhendo, enchendo caminhões basculante que saíam pingando pelas ruas da cidade pra levar a lama tóxica até um espaço determinado pela prefeitura como depósito dos metais pesados. Claro, sem mencionar "metais pesados" em nenhum momento. Pensei neles, vendo escorrer pelas ruas, "isso vai secar, carros vão passar, a poeira vai levantar, cheia de veneno, pro povo respirar". Não deu outra. Dois anos depois, Barra Longa era "campeã" em doenças nas vias respiratórias, em todo o vale*. Doenças de pele, de esôfago, de estômago, garganta, intestino, pâncreas, fígado, em tudo, proliferaram e continuam proliferando por todos os mais de oitocentos quilômetros do rio Doce, hoje fonte de envenenamento. Não serve nem pra irrigar as plantações.

Bueno, tudo o que estou dizendo aqui já disse antes, a intenção agora é chamar a atenção pro coentro, como desmetalizador pesado de corpos, retira metais pesados que as... como dizer... "atribulações sociais", ou melhor, as mancomunações público-privadas da mineração espalharam em rios, mares, vales, montanhas, em proporção nunca vista. Informação necessária, não só pra ajudar os tratamentos, mas pra ligar sintomas desconhecidos à presença desses venenos, cádmio, chumbo, cobre, ferro, arsênio, etc, etc, etc, nas águas, terras, nos ares, na comida da atualidade.

São tempos de metais pesados. São tempos em que a necessidade do coentro, não só mas sobretudo, aumenta em importância medicinal. Chá de coentro, salada de coentro, coentro na manteiga, no queijo, no azeite, em tudo. Coentro!

http://observareabsorver.blogspot.com/2017/01/o-rio-doce-precisa-de-quelacao-urgente.html

*https://observareabsorver.blogspot.com/2015/11/o-apocalipse-de-bento-rodrigues.html
*https://observareabsorver.blogspot.com/2015/12/rio-doce-cidade.html
*https://observareabsorver.blogspot.com/2018/03/do-bento-barra-longa.html

19 comentários:

  1. Belo texto e belas comparações amigo.
    Quando puder/quiser dá uma olhada no meu instagram: francofcs92
    Divulgo lá minhas poesias. Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Viva a cura das plantas! Plantem coentro em casa, e saibam que o coentro se desenvolve muito bem com o funcho (erva doce), inclusive é a única planta que o funcho aceita por perto. Vale a pena cultivar os dois num vasinho.

    ResponderExcluir
  3. Esse coentro nosso de cada dia é a reflexão/questionamento; indagação: remédio sagrado que tanto nos falta !!!!

    ResponderExcluir
  4. Excelente! Prazer em conhecê-lo, Eduardo!

    ResponderExcluir
  5. Passei a acompanhar recentemente seu trabalho... quando em um momento sem norte pra vida eu descobri você. Cara, minha admiração é gigante pelo ser humano que você é, pela ideia que você tem da vida, sua inteligência sem máscara, sua autenticidade ... só sei que estou amando te acompanhar e você desperta em mim novas ideias e ideais... quando assisti um doc sobre você pensei " caracas, o cara tem um pensamento como o meu, ou melhor, eu penso como ele ... Eduardo, amo teu trabalho e espero um dia ter a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente. Abraço forte, Fernanda

    ResponderExcluir
  6. Realmente, um caos nos dias de hoje. Mas não entendi como o coentro pode ajudar.

    ResponderExcluir
  7. E agora temos esse óleo nas praias do nordeste brasileiro! Pena que isso não foi tão divulgado internacionalmente como as queimadas na Amazônia. Se acha mais noticias disso no diario de pernambuco, a globo quase nada, folha de sao paulo idem. E não teve nenhum presidente da europa dando chilique com isso. Talvez os corais e a biodiversidade marinha não sejam tão importantes como as árvores.

    ResponderExcluir
  8. Queria comprar uma camisa. Ainda tá vendendo na Lapa? Tem dia certo lá?

    ResponderExcluir
  9. Boa noite galera.
    Refletir é preciso.

    ResponderExcluir
  10. Acompanhando sua história, seus depoimentos, entrevistas e divulgando porque você é simplesmente maravilhoso! Continua essa jornada linda ! Ótimos textos e reflexões, sempre que posso venho aqui ler, reler, refletir... Abraço na alma, meu irmão

    ResponderExcluir
  11. Buenas companheiros.
    Acho interessante tambem ser ressaltado a casca da banana, quando em forma de farinha e misturado a água que contem metais pesados age, semelhante ao detergente de louça, se fixando a estrura do metal.
    Convido a pesquiserem a respeito.

    ResponderExcluir
  12. Sou sua fã! Muita admiração por você!

    ResponderExcluir
  13. Me dá um" Oi" se puder.obrigada

    ResponderExcluir
  14. Eduardo, fale para esse pessoal que morar na rua é ruim, é pesado. Esse pessoal está te endeusando, tá horrível, gente muito obtusa. Eduardo, você conhece Gramisci?

    ResponderExcluir
  15. Cara demorei para enteder meu modo de vê a vida, você me explicou.obrigado

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.