quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Combustível, privatização e jornalismo

Jornalistas especializados dizem que o preço da gasolina é menos o imposto estadual apontado como responsável e mais “as políticas de preços da Petrobrás”. Superficialíssimas análises. Embora seja verdade que os impostos estaduais não têm nada a ver com as altas de preços, pelo simples fato de que são os mesmos há décadas, a expressão “política de preços” esconde a raiz do problema.

A Petrobrás sempre incomodou os poderes externos, as mega-petroleiras internacionais, desde a sua criação (até antes, quando era só uma idéia) mas, sobretudo, nesses tempos de pré-sal e fartura de petróleo em território nacional – que a mídia empresarial tratou de omitir, esconder e, na impossibilidade, diminuir e desqualificar. Coincidentemente, foi quando se reativou a quarta frota dos Estados Unidos, e navios de guerra começaram a ser vistos das plataformas de petróleo próximas a Santos. Depois do golpe de 2016, o presidente da Petrobrás foi trocado por um sujeito que nunca foi petroleiro, com a função de retalhar a estatal*. Durante o governo Temer, a maior parte das refinarias – que produziam todo o combustível necessário ao funcionamento do país – foi vendida ou paralisada, toda a tubulação que trazia gás da Bolívia foi vendida, num processo de amputação que ainda continua. A última foi a distribuidora de combustíveis BR, com toda a sua infra-estrutura de transporte e serviço nos postos. Deixando de produzir o necessário ao funcionamento do país, o que era feito pela Petrobrás, foi preciso importar esses derivados a preços internacionais. Agora os combustíveis baseiam seu preço no dólar e é isso que provoca as altas seguidas, afetando o preço de praticamente tudo. A presidência e a política atuais da Petrobrás têm a missão de destruir a força descomunal da empresa. Ordens de fora.

Por quê será que o “jornalismo” aponta como causa dos aumentos as “políticas de preços da Petrobrás”? Uma expressão vaga, que não explica nada, não vai às causas e evita o entendimento, bem de acordo com os interesses corporativos e mais um crime contra a informação, na “política” de manter a desinformação geral. Assim fica fácil, pros ideólogos sociais de consciência vendida, convencer a população dos “benefícios da privatização”. Todas as privatizações que pude observar, e não foram poucas, causaram desemprego, chamado de “enxugamento”, aumento nas tarifas,  alegados “ajustes” e “correções”, e piora nos serviços, pela terceirização – que é entregar os serviços antes feitos por funcionários de carreira a pessoas sem preparo, de baixos salários, extremamente exploradas, pressionadas com crueldade e ameaçadas de demissão o tempo todo. As promessas antes de cada privatização se diluem com rapidez e a omissão criminosa do “jornalismo” corporativo esconde as conseqüências nefastas pra população. Tragédias e sacrifícios decorrentes jamais são ligados às suas verdadeiras causas. Os “benefícios da privatização” são benefícios só pros mega-empresários e seus acionistas podres de ricos, que não dependem do serviço que eles próprios “oferecem” ao povo.

*Creio que é dessa época o tal projeto de emenda constitucional (PEC) que mudou o artigo determinando que o presidente de uma estatal teria obrigatoriamente que ser um funcionário de carreira da mesma estatal, apenas acrescentando uma vírgula e incluindo a frase “a não ser por determinação do presidente da república”. E o presidente da república traíra da ocasião , fruto do golpe que ele ajudou a planejar e executar – somando com a mídia corporativa, os poderes econômicos estrangeiros e as elites internas e cúmplices, colocou a presidência da Petrobrás nas mãos de quem as petroleiras e banqueiros internacionais determinaram. A partir daí, um após o outro, nenhum presidente da Petrobrás foi funcionário da empresa. Mas a missão é a mesma, reduzir a Petrobrás a um escritório administrativo, amputar e esquartejar ao máximo suas partes lucrativas, “vendendo” pra empresas várias, nacionais e, sobretudo, estrangeiras. A imprensa corporativa, o jornalismo de consciência vendida, esconde, papagaiando razões falsas, sem relação com as raízes verdadeiras do problema.

“O mundo tem condições de produzir tudo o que é necessário às necessidades de todos, mas não o suficiente pra atender às ambições de alguns poucos”.      Mahatma Gandhi

24 comentários:

  1. Interessante conclusões , mas não consegui entender muito bem a onde você pega estas informações indica algum site

    ResponderExcluir
  2. Saudades de quando a "esquerda" jogava as migalhas. Será que agora ainda da para dizer que esquerda e direita são as mesmas coisas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dizer, dá pra dizer qualquer coisa. Mas nunca foram a mesma coisa, a não ser no olhar de superfície que somos induzidos a ter, sem profundidade, sem conhecimento, com informações distorcidas e desinformações estratégicas. Não estamos entre esquerda e direita, estamos entre humanismo e empresarismo. No centro de importância máxima da sociedade deve estar, pra um, o ser humano, pra outro, os interesses econômicos, o lucro e a propriedade. Este é o que está no comando, daí a sociedade ostentar tanta gente como lixo, pelas calçadas, favelas, periferias, áreas de miséria, trabalhos superexplorados e mal pagos, fome, desabrigo e abandono.

      Excluir
    2. Eduardo, devemos ter nos esbarrado diversa vezes por essa vida. Hoje, eu concordo com quase tudo q vc fala, denuncia.. prega. Só queria ter tido essa consciência antes. Posso cpt esse texto da Petrobras?

      Excluir
  3. Queria muito conhecer esse cara. Seria um sonho...quem sabe um dia, né?

    ResponderExcluir
  4. Um forte abraço do povo do rio grande no norte natal rn...

    ResponderExcluir
  5. Queria muiiito conhecer você Eduardo Marinho 🥰 acredito que ficaria horas te ouvindo 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

    ResponderExcluir
  6. O Eduardo Marinho é a bondade em pessoa, tenho certeza que ele é autista leve,essa é a natureza dos autruístas serem livres pensadores com excessiva empatia emocional pelo próximo.Eu o entendo porque também sou.

    ResponderExcluir
  7. Bem na hora! Sempre uma garantia de verdadeira informação! Muitíssimo obrigado

    ResponderExcluir
  8. E revejo sempre que posso para digerir tudo

    ResponderExcluir
  9. Perdi a lista de livros que o escritor me enviou, não lembro mais quais eram

    ResponderExcluir
  10. Envia novamente, desistir jamais!!

    ResponderExcluir
  11. obrigado pela sua contribuição para o nosso entendimento desse país

    ResponderExcluir
  12. As pessoas não prestam atenção, é preciso ouvir todas as palavras, pensar para entender o que foi transmitido

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Aqui é garantia certa de informação verdadeira .

    ResponderExcluir
  15. Assisto e agradeço pelas aulas de primeira linha.

    ResponderExcluir
  16. Não acredito que oriente médio mudara em pouco tempo. A cultura oriental é diferente da nossa, talvez leve uns 50 anos..

    ResponderExcluir
  17. Eles usam nossas necessidades para esbanjar suas sobras.

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.