domingo, 21 de maio de 2023

Agradar o pobre desagrada o rico, diz Paulo Guedes

Por esses dias foi divulgado um contato entre o ex-presidente e seu ministro da economia, banqueiro e financista, depois do presidente atual conseguir baixar preços que ele não havia conseguido pouco antes da tentativa de reeleição. Reclamou de ter pedido pra baixar o preço do gás de cozinha, numa jogada eleitoral atrás de votos, e ter recebido como resposta “não dá pra agradar o pobre, porque isso desagrada o rico e o rico é quem manda”. Em seguida, irritado pela interpelação do seu ex-chefe – pelo menos em teoria –, completou com “desapega” e bloqueou o ex-presidente.

Essa resposta é uma declaração esclarecedora, pra quem ainda não se deu conta. “Agradar”, no caso, é colocar o Estado a serviço dos que têm seus direitos constitucionais roubados cotidianamente, como alimentação saudável, moradia decente, educação de qualidade, entre muitos outros. Dizendo o mesmo, de outra maneira, fazer a sociedade cumprir a sua constituição, uma obrigação simples e óbvia. Isso “desagrada”, ou sendo mais exato, apavora e enfurece “o rico” – que explora o pobre, saqueia as riquezas do país e acumula terras sem conta, a maior parte improdutiva na intenção da especulação imobiliária, enquanto a parte produtiva resulta em “comodities”, matéria prima para exportação (embora se anunciem produtoras de alimentos pra matar a fome da população, uma grande mentira. Setenta por cento dos alimentos são produzidos por agricultores familiares em pequenas propriedades). Pra esses poucos, manter os pobres humilhados, inferiorizados, sem consciência da realidade, da sua importância e necessidade na produção de tudo o que a sociedade necessita, ignorantes e desinformados, entre a repressão do aparato de segurança e a chantagem da miséria explícita.

A partir dessa compreensão pode-se olhar a história recente do país e entender porquê governos que investiram na população, ainda que insuficientemente, foram odiados, difamados, perseguidos e derrubados – com apoio ou com direção estadunidense, além dos países colonizadores da Europa. No governo de Getúlio Vargas, criaram-se leis que tornavam o ensino obrigatório para todos, que regulavam as remessas de lucros das empresas estrangeiras que saqueavam o território, leis trabalhistas para conter a exploração exagerada de trabalhadores, investiu-se na criação de empresas estatais como Petrobrás, Usiminas, Eletrobrás, Companhia Siderúrgica Nacional, Fábrica Nacional de Motores, enfim, no desenvolvimento econômico em busca de autonomia e soberania nacional. A mídia empresarial, na época tendo à frente os Diários Associados, de Assis Chateaubriand, com jornais impressos e rádios por todo o território, difamava o governo e o presidente, acusava o “mar de lama” da corrupção, afirmava não haver petróleo no Brasil e que tudo era para roubar o dinheiro público. Congresso e judiciário faziam parte da orquestração, em busca de motivos – ou pretextos – pra escândalos ampliados por jornalistas de consciência vendida. A pressão foi tamanha que, na iminência do golpe e num gesto político, Getúlio deu um tiro no peito e se matou.

É de se observar que os conservadores e serviçais de interesses estrangeiros se encolheram diante da fúria popular que se manifestou em toda parte. Jornais foram atacados e “empastelados”, como se dizia na época, jornalistas foram espancados ou fugiram a se esconderem, carros de entrega dessas publicações foram virados, incendiados, máquinas de impressão foram destruídas. O único jornal poupado foi o “Última Hora”, de Samuel Wainer, apoiador de Getúlio, que era amado pelo povo e conhecido como o “pai dos pobres” – e por isso mesmo odiado pelos ricos. Quando o povo se levanta, as elites colonizadas se encolhem com medo.

Outro governo que despertou esse ódio interesseiro foi o de João Goulart, o ex-ministro de Getúlio que deu um aumento histórico de 100% no salário mínimo e implementou medidas para garantir os direitos dos trabalhadores, sendo por isso atacado violentamente de todos os lados e retirado por Getúlio por razões políticas, embora as medidas tenham sido mantidas. O governo de João Goulart investiu na educação, implementou o Plano Nacional de Alfabetização, com o objetivo de erradicar o analfabetismo do território nacional, regulou mais ainda as empresas estrangeiras, sobretudo estadunidenses (que eram a maioria), criou programas de qualificação de professores e, supremo “atrevimento”, decretou a reforma agrária. A mídia empresarial, histérica, berrava contra a “ameaça comunista” e clamava pela derrubada de Jango, como era conhecido.

Na verdade, Goulart era latifundiário de São Borja, RS, como Getúlio, e jamais seria comunista, embora levantasse às quatro da manhã pra ir junto com os seus empregados pros serviços da fazenda, dividindo com eles o chimarrão em franca camaradagem. Ele simplesmente achava que os mais pobres tinham direito a uma vida digna, nada de “comunismo”, apenas humanismo, sensibilidade e solidariedade com a parte mais sacrificada de toda a sociedade, que sofria com a mentalidade ainda escravista das elites descendentes e admiradoras dos antigos “senhores de escravos” dos tempos do império e da colônia.

A frase do banqueiro ex-ministro da economia Paulo Guedes revela a mentalidade das elites dominantes, perversa, anti-social, que permite entender porquê somos obrigados a conviver com pessoas atiradas como lixo pelas ruas, entocadas nas periferias em situações escabrosas de miséria e indigência, gerando mão-de-obra farta, barata e sem direitos, alimentando a criminalidade que cadeias não resolverão, ao contrário, especializam e aumentam a violência e alimentam as organizações criminosas criadas por elementos da própria elite – tudo o que dá lucro, desperta a cobiça.  Condições materiais pra acabar com a desumanidade social há de sobra e há muito tempo. A produção de alimentos e de insumos é mais que capaz de atender a todas as necessidades de todas as pessoas. O que acontece é que não é suficiente pra atender a ambição de alguns poucos – que impõem a ignorância com a sabotagem da educação pública e, com o controle das comunicações, mantêm a desinformação, pra que o povo não tome consciência do que acontece. Da mesma forma, precisam de focos de miséria pra obrigar os trabalhadores a aceitarem qualquer condição de trabalho, abrindo mão dos seus direitos e aceitando qualquer merreca pra não cair nas condições expostas de abandono.

É tempo de revelação, é preciso ler os sinais e perceber os condicionamentos que nos aprisionam a esse modo de vida angustiante, competitivo, vazio de verdadeiro significado, frustrante. É preciso desenvolver a solidariedade e a mentalidade cooperativa, entendendo as induções que nos afastam uns dos outros, que criam competitividade e impedem a união fraterna que poria abaixo toda esta estrutura injusta, covarde e perversa.

Acordamos, pouco a pouco demais pra minha cabeça, mas acordamos, principalmente através das novas gerações – que os dominantes, com seus profissionais de alta capacidade e de consciências compradas (jornalistas, sociólogos, antropólogos, psicólogos, etc.) tentam cooptar sistematicamente. Mas as exceções se multiplicam e a realidade vai se esclarecendo – o tempo não pára.

quarta-feira, 17 de maio de 2023

Olhar, escutar & perceber práticas de libertação

Papo rolado ontem, com dois mestres de vida - Mônica Silva e Júlio Massaferri. Vale demais, pras mentes férteis. Não adianta muito, pras mentes áridas e empedradas. Essas, só o tempo, a vida e as dores do mundo podem amolecer e fertilizar. Vamos semeando por aí, escolhendo bem onde plantar, quando pessoalmente. Pela internet, não escolhemos, oferecemos a todos e dá proveito quem pode.

domingo, 14 de maio de 2023

Vinte cinco toneladas de alimentos orgânicos

 Hoje foram doadas vinte e cinco toneladas de alimentos, no último dia da Feira da Reforma Agrária, a vinte entidades sociais da Grande São Paulo. Vinte e cinco mil quilos pra distribuir entre os famintos que perambulam pelas ruas ou moram em barracos nas periferias mais pobres. Nada que resolva por mais que um pouco tempo, pra alguns milhares de pessoas. Mas um exemplo e um demonstrativo do que é, na verdade, o MST em nossa sociedade injusta, perversa e covarde. E esse é o motivo pelo qual esse Movimento é tão odiado pelas elites e pela mídia que as representa - e a mais ninguém. Tão difamado e há tanto tempo que é quase senso comum, que vem se desfazendo aos poucos, sobretudo desde a pandemia, quando outras toneladas de alimentos foram doadas nas periferias famintas das cidades, pela solidariedade do MST, entre outras entidades igualmente perseguidas. Uma demonstração da perversidade institucionalizada, a percepção do seqüestro do Estado e suas instituições pelos poderes econômicos de elites diversas, embora compostas de muito pouca gente, em comparação com a população. Todo o aparato estatal e midiático é posto a serviço desses interesses anti-sociais, a quem interessa a fome e o desabrigo, a ignorância e a desinformação, a partir do escuro dos bastidores. Essa gente não tem medo de escuro, porque tira seus privilégios dele; tem medo é de luz, de clareza. Tem pavor da idéia de um povo instruído, esclarecido, com auto-estima e senso crítico pra entender o que acontece e escolher como atuar dentro disso tudo. E esse pavor se transforma em ódio diante de qualquer possibilidade que isso aconteça. Daí o ódio a Paulo Freire e a todos os que pretenderam instruir de verdade, que quiseram investir no desenvolvimento humano individual e coletivo, em alimentação orgânica e saudável, na formação do povo em todo o seu potencial, no atendimento de todas as necessidades de todas as pessoas, sem exceções.

     Foto - Murilo da Silva

Padre Júlio Lancellotti, conhecido em seu trabalho de apoio à população desabrigada em sua paróquia, na Mooca - e também perseguido, difamado e agredido -, recebeu simbolicamente os alimentos, que vieram de assentamentos do MST em vinte e quatro estados do Brasil. Essa solidariedade vem de longe, mas foi sempre escondida, omitida pela mídia empresarial que domina as comunicações no país inteiro. Ao contrário, como porta-voz dos interesses econômicos de punhado de podres de ricos e formadora de opinião "popular" mas, sobretudo, das classes médias, ela difama, calunia, distorce e criminaliza o movimento, enquanto as agências de segurança "pública" infiltram seus agentes de espionagem. 

Quem não conhecer e for a uma feira do MST, sempre de orgânicos, vai se surpreender com as mentalidades, as personalidades, o jeito das pessoas, além dos alimentos saudáveis e variadíssimos, colhidos ou preparados, pimentas, temperos, queijos, geléias, nem dá pra chegar perto de dizer tudo o que tem. Só indo e vendo com os próprios olhos, ouvindo, observando e absorvendo da realidade, do convívio, do contato direto. Ver com os próprios olhos e sentir com o próprio coração acaba levando a gente a pensar com a própria cabeça. Se é que me entendem.

Conheci o MST há muitos anos, em beiras de estrada por onde eu passava, em lonas pretas, plantando as terras mais distantes. Povo simpático, eu não tinha ainda a noção do que era o Movimento nascido em 1984. O que percebi logo é que eram pessoas pobres, mas esclarecidas a respeito da sociedade, com auto-estima e consciência acima da média sobre a realidade. Além de muito solidárias. Várias vezes cheguei e em cinco minutos estava convidado pra um café e alguma coisa pra comer - eles me viam a pé na estrada, carregando minhas coisas e nem perguntavam se eu queria, me viam chegando e cumprimentando, já iam me chamando e oferecendo. Muito tempo depois, já morando no Rio, conheci o escritório do MST na praça Tiradentes, deixei lá um desenho meu, de presente - "por tão poucos terem tanto, é que tantos têm tão pouco". Eu tinha ido com um amigo jornalista, Fabio da Silva Barbosa, para uma entrevista marcada com o Mano Teko, do Santa Marta se bem me lembro. Espero que tenham emoldurado o desenho e posto em alguma parede por lá. Mas não sei, nunca mais voltei. Encontro o MST por aí, vez por outra, e é sempre um prazer, sempre gente boa, sempre bons contatos. Pelo menos até hoje.

Não estou "defendendo" nada, não estou "pregando" nada, tô só relatando e dizendo como vejo e sinto.

sábado, 4 de março de 2023

Cuidado, Sônia

 A ministra dos povos indígenas se encontrou, na embaixada dos Estados Unidos, com o “secretário especial para o meio ambiente”, John Kerry. Diz que ele se interessa pelos povos indígenas e pela proteção da Amazônia. Que está “verdadeiramente preocupado”, tanto com a proteção ambiental quanto com a proteção dos direitos dos povos indígenas.

Cuidado, Sônia. Os Estados Unidos representam o atual colonialismo nascido na Europa, sobretudo o da Grã-Bretanha, de onde são descendentes diretos e que superaram sua matriz, hoje sua aliada na dominação, no saque, na exploração e escravização de todos os lugares onde lançam suas garras, de todos os povos que conseguem, ainda, submeter. Não há sinceridade em suas propostas “humanitárias”. Basta observar seus movimentos pelo mundo, a interferência em governos e parlamentos, nos golpes de estado promovidos ao longo da história, nas mais de cinqüenta guerras provocadas depois da segunda guerra mundial, nos países que se rebelaram ao seu domínio. Um histórico de hipocrisia, de mentiras, de massacres e assassinatos, sob pretextos superficiais e falsos, oferecendo armas, treinamento e dinheiro aos traidores de seus povos, enriquecendo elites locais e formatando mentalidades racistas e preconceituosas contra as maiorias, contra os movimentos de defesa das precárias soberanias dos países ditos pobres – em sua população – mas ricos em recursos minerais, em terras férteis, em água e, sobretudo, petróleo.

Cuidado, Sônia. Estão oferecendo novamente espelhinhos, miçangas e ferramentas de metal, como foi feito com seus ancestrais. Sorrisos falsos e promessas cínicas escondem os mesmos interesses de sempre nas riquezas, agora, da Amazônia. É claro que não vão declarar os bastidores desses “interesses” de multinacionais e mega-bancos mundiais sediados no império corporativo da “civilização ocidental”, esse é seu modo de agir. Como já disse um de seus representantes, um sorriso no rosto, palavras mansas e um grande porrete nas mãos. Lembre-se de que, desde que se descobriu o pré-sal, foi reativada a tal 4ª Frota da marinha estadunidense, desativada desde a grande guerra e re-esboçada durante o golpe de 1964, no apoio aos militares brasileiros diante da possibilidade de resistência. Que só não aconteceu pela decisão do presidente derrubado, um latifundiário acusado mentirosamente de “comunista”, o bicho papão da mídia empresarial e das políticas estadunidenses, na criação da paranóia ignorante e desinformada com o domínio das comunicações e dos modelos de educação engaiolados pelo “mercado”, superficiais e moldados na formação de peças para a engrenagem perversa de uma sociedade escravista, maquiada e travestida como “democracia”, mais uma grande hipocrisia.

Cuidado, Sônia. A sedução dos vampiros mundiais começa com preocupações falsas, tanto quanto os sorrisos e as promessas que escondem – embora se possa ver, quando se leva em conta a história recente – pretendidos saques das riquezas da Amazônia. Os colonizadores genocidas e escravistas europeus hoje estão representados pela democracia de papel dos EUA, pela monarquia que resiste na Grã-Bretanha e, em segundo plano, pelas mega-empresas européias. Existe ainda, em terceiro plano, interesses parecidos vindos da Ásia, insipientes mas “promissores”, se apresentando como “alternativa”. As riquezas latinoamericanas são cobiçadas pelo mundo inteiro, como as da África, que já dá mostras de acordar para esta realidade muito mais que a América Latina, porque lá o saque, a escravização, a produção de miséria e o descaramento no controle das instituições é sem disfarce, descarado e sem pudor.

Cuidado, Sônia. Todos esses sorrisos falsos, promessas mentirosas e preocupações ambientais e humanitárias hipócritas trazem na alma interesses destrutivos e assassinos. Aproveita-se a situação de fragilidade produzida pelos vampiros internos, pra acenar “ajudas” que visam impor vampiros muito maiores, mundiais, “donos” podres de ricos da “civilização ocidental” – a mais violenta de todos os tempos.

Sua foto com esses dois “galalaus” brancos, estadunidenses, sorridentes os três na embaixada dos Estados Unidos – base de todos os golpes de Estado na América Latina –, me pareceu assustadora e deu um frio na barriga. A ministra dos povos originários, de grande importância histórica por ser a primeira vez que as vítimas de genocídio continuado, desde a chegada da nefasta civilização européia, hoje ocidental porque a colônia anglo-saxônica superou o mestre, está se deixando levar pelo canto da sereia, está fechando com os piores inimigos da humanidade. São representantes de forças que não têm amigos, mas sim interesses, que têm na traição uma ferramenta de trabalho, na dominação e no saque, não importando em nada qualquer quantidade de sofrimento e morte que possam produzir.

terça-feira, 24 de janeiro de 2023

Vencer na vida

 Vencer na vida não é enriquecer, mas sim chegar ao fim dessa passagem, que começa no nascimento e termina na morte, de bem com a própria consciência. Vencer na vida é chorar quando se nasce e sorrir quando se morre. A morte não é uma tragédia, uma desgraça, mas sim conseqüência de ter nascido. Tudo que nasce, morre. Nós todos estamos aqui de passagem. É preciso levar isso em conta, diante do massacre publicitário-midiático que faz tudo pra impor nossos objetivos de vida como sendo consumir, desfrutar de prazeres materiais. A matéria é nosso veículo, não nossa finalidade. O tempo é implacável, todos sairemos da dimensão material. Impressionante como as pessoas não se ligam, mesmo vendo todos os antigos indo embora, mesmo percebendo o próprio envelhecimento. Vence quem sai limpo de maldades, de mentiras, vence quem mais beneficiou, vence quem tem facilidade em se desapegar de tudo, matéria e relações, vence quem não se deixou levar pelos valores desse mundo, controlado e dominado por interesses materiais. Chega a ser estúpido se deixar convencer que se vale o que se tem, não pelo caráter, pela amorosidade, pela sensibilidade, pelo senso de justiça. Deus não premia com riquezas, mas com paz de espírito. A verdadeira riqueza é imaterial.

Obs.: Uso a palavra "Deus" pra simplificar o entendimento do que vejo como espiritualidade e não ouso definir. Não tenho alcance pra conceber o "supremo ser do universo", já que, como se sabe, o ser humano não alcança, nem de longe, o próprio universo como um todo. Não nos é possível saber onde são os seus limites, nem se tem limites. Aguardo minha compreensão se desenvolver, sem pretensão de entender ou explicar o que não alcanço. Mas espiritualidade eu sinto plenamente, desde muito cedo, e já comprovei seus efeitos e interferências em minha própria vida.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2023

O genocídio ianomami e a hipocrisia da mídia empresarial

 A tevê nojenta faz matéria de menos de um minuto sobre a tragédia ianomami. Cita a morte de 570 crianças como quem fala da morte de 570 bois por febre aftosa, uma vez só, de passagem. Diz das providências que estão sendo tomadas pelo novo governo, sem citar o novo governo. Em nenhum momento questiona as causas da tragédia e do aumento escandaloso dos crimes cometidos, desde 2016, mas que aumentou mais ainda depois de 2018.

Eu já vinha acompanhando, por postagens de informativos indígenas - há vários, embora muito pouco vistos pela população em geral - os assassinatos de indígenas, estupros, expulsões, invasões de garimpeiros, madeireiros, criadores de gado e plantadores de soja. Estive pela Amazônia, há mais de trinta anos, e sei que suas terras "demarcadas" ou "em homologação", as terras onde vivem são cercadas por ambições e ódio destrutivo, em todo o território nacional. A difamação e a criação de desprezo - pelas mídias locais - servem como "justificativa" pros crimes cotidianos, os maus tratos e a repulsa por parte de pessoas sabotadas em informação e instrução.

Os ataques nunca pararam, desde a chegada dos europeus, há séculos, mas nos últimos anos esses criminosos tiveram incentivo do próprio governo, que desarmou os poucos esquemas institucionais de defesa desses povos, das florestas, do meio ambiente. O massacre estava liberado, sob o ocultamento da mídia privada (mais privada do que nunca, como depósito de merda) e a exultação da ganância assassina. A mudança de governo pra um menos desumano mostra vontade de conter essa desgraça toda. Mas os elementos que a causam continuam ali, cercando as terras indígenas, babando de ambição e ódio aos que consideram um mero impedimento aos seus objetivos. Esses dias mesmo, no sul da Bahia, dois meninos foram mortos a tiros, quando voltavam pra sua aldeia em área retomada - se não me engano, um tinha 17 e o outro 22 anos. É prática cotidiana desta "civilização" o genocídio indígena - e dos pobres, nas cidades, pelas próprias "forças de segurança" da sociedade. Segurança pra quem?

Que ninguém me pergunte o que fazer. Os povos indígenas sabem muito bem quais seriam as soluções - quem sabe com o Ministério dos Povos Originários e o apoio das pressões internacionais, não apareçam, na prática mecanismos de contenção dessa barbárie secular sobre os originários dessas terras...

É preciso, na minha opinião, tomar consciência da realidade, pra que apareçam caminhos e soluções pros problemas tão gritantes desta sociedade injusta, perversa, covarde - e suicida. E não se conte com os meios de comunicação empresariais, ao contrário, estes têm a função de dispersar a atenção, superficializar as mentalidades, estimular o egoísmo e a indiferença com o sofrimento alheio, omitir as causas das mazelas sociais e distorcer a realidade, apresentando amigos como se fossem inimigos e inimigos como se fossem amigos.

Nojo e repulsa dessa mídia criminosa e seus jornalistas, apresentadores e comentaristas de consciência vendida. Há muitos anos eu afirmo que o mercado de consciências é um dos que melhor paga no "mercado de trabalho".

Todo apoio e solidariedade aos povos indígenas, vítimas preferenciais desta sociedade que agiu, desde que se implantou por aqui, de forma genocida, levando os povos que já estavam aqui quase ao extermínio. Só a resistência, a criatividade e a força de adaptação às situações que se impuseram pôde impedir esse extermínio - e agora estamos em processo de percepção da importâncias desses povos pra impedir a destruição total do meio ambiente e da vida no planeta.

A sociedade dita "civilizada" tem muito a aprender com a gente originária. E isso é urgente urgentíssimo.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2023

Dia 8 de janeiro, domingo, escancara o terrorismo planejado. Covardia "de mercado".

 Vimos ontem o resultado da união da perversidade dos poderes econômicos com a ignorância, a desinformação e as induções ao inconsciente coletivo de ódio pelas mídias empresariais.

O "mercado financeiro" e os podres de ricos não mostram a cara, comandam as "comunicações", convocam os ignorantes de cérebro lavado e enxaguado e contratam os insufladores treinados, pra "liderar" a barbárie.
Fossem os milhões de famintos, esfarrapados, desabrigados e demais sabotados do povo brasileiro a ocupar a esplanada dos ministérios e os palácios dos três poderes - em reivindicações justas dos seus direitos negados há incontáveis gerações - e todas as polícias, mais o exército, a marinha, a aeronáutica cairiam em cima, sem dó, e haveria muitos e muitos mortos, além de presos em número que precisaria ocupar estádios de futebol, pra serem judiados, torturados, "exemplados" por tal "atrevimento". E as exigências seriam mais que justas - comida, moradia, saneamento, sem falar em educação e informação são direitos constitucionais que o Estado não respeita, obrigações que o Estado não cumpre. São crimes e dívidas sociais.
Ontem, esses que se dizem "manifestantes" tinham como "reivindicações" um golpe de Estado, "intervenção militar", entre outros crimes - na inconformação com o resultado de uma eleição. Não teve polícia, nem repressão, até que depredaram os prédios dos três poderes. Aí houve alguma ação e as câmeras mostraram as pessoas saindo algemadas, às centenas, pacificamente e em silêncio.
Ninguém machucado, ninguém gritando, ninguém esperneando. No mínimo, estranho. Não era a índole que essa rapaziada apresentava, entre o ódio e o descontrole desvairado. Que tipo de acerto os deixou tão calminhos?
Aguardem-se os desdobramentos. Não sei se as autoridades serão suficientes pra mobilizar forças de segurança que se demonstram, sem dúvida, favoráveis a essa bagunça toda.
É bom lembrar que interessa aos podres de ricos - escondidos sob a expressão vaga "mercado" - manter pressionado um governo que declara pretender a contenção do saque banqueiro e mega-empresarial e o investimento na população, em alimento, moradia e educação. Assim se pode entender a benevolência com essa turba criminosa, entre profissionais do terrorismo e a massa amorfa e acéfala conduzida, induzida, insuflada pelos meios de comunicação, inclusive e, talvez, principalmente pelas redes sociais da internet.
A proposta é conter as intenções declaradas desse governo. Manter miséria, ignorância, fome, desabrigo - como chantagem sobre a população trabalhadora pra que se aceite qualquer condição de trabalho explorado e sem direitos - pra que se mantenham, também, os privilégios desse punhado de parasitas sociais podres de ricos que se beneficiam desse primitivismo social grosseiro.
A caridade é permitida, comovente na benevolência, porque não resolve. Um programa de Estado que elimine a miséria, o analfabetismo, a ignorância e a desinformação, é proibido como uma "heresia". Não é à toa que o projeto de lei destinado a criar condições pra um "auxílio-fome" foi chamado pela mídia empresarial de "pec da gastança".
Como digo, desde a década de 80, no meu trabalho, o Estado é refém do poder econômico de elites internacionais, com a cumplicidade das elites locais. E o poder econômico é inimigo do povo. É preciso resgatar o chamado "poder público", pra que finalmente ele se torne verdadeiramente público.

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.