quinta-feira, 4 de março de 2021

"Vamos pular esse tempo", disseram.

O tempo não dá pulos, mas passa. Há quem feche os olhos pra criar a sensação de "pulo" e não ver a realidade do momento. É preciso respeitar as escolhas, elas trazem suas consequências. Eu prefiro manter os meus olhos o mais abertos possível pra ver e enxergar a realidade, muito além do que me é mostrado pelas empresas de comunicação que dominam essa área PÚBLICA. No país e no mundo.

Todo sofrimento traz uma carga profunda de aprendizados, além da dor, na percepção das responsabilidades gerais, na busca das causas pra começar o trabalho das correções e aperfeiçoamentos, tanto individual quanto coletivamente. Apontar "culpados" superficializa as percepções. Embora, claro, eles existam e "mereçam as penalidades da lei".

Mas é preciso trabalhar nas condições e nos espaços que se criam pra existência desses tipos de personagens na chamada "vida pública". Na estrutura social, na formação das pessoas, das populações, de forma ampla e em todos os setores. A formação de mentalidades, a manipulação da alma coletiva é uma indústria instalada há muito tempo - é hora de perceber nos valores vigentes, nos comportamentos, nos desejos e objetivos, na visão de mundo, nas relações sociais. Os condicionamentos afastam, dividem, criam disputas e conflitos. Tudo nessa direção é indução social. É preciso humildade pra reconhecer. Por isso tanto estímulo aos egos.

Na busca e construção de uma estrutura que tenha como objetivo harmonia social, a eliminação das condições de miséria, ignorância, desinformação, desabrigo e abandono é a base. Essa é a prioridade em qualquer sociedade que se pretenda humana de verdade. A nossa há tempos históricos está sob controle de poucos e obscuros poderosos, servindo aos bancos, mega-empresas, ao mercado econômico-financeiro, contra - isso mesmo, contra - as populações, a humanidade, o povo e o equilíbrio social.

Se não fomos capazes de evitar, temos a responsabilidade de encarar as consequências. Todos, sem exceção, tendo ou não responsabilidade direta, somos responsáveis pela coletividade. O que varia é a forma de participação. Coletividade como humanidade, na parte onde se está. A mutação é permanente.

3 comentários:

  1. Eduardo voce enxerga algum treinamento para fortalecermos nossa mente em questão nos tornarmos exeções a regra mais fortes estava pensando e percebi que umas das formas eramos passar dificuldades mais nem todos tem esta força e aqueles que querem começar com movimentos mais basicos podemos dizer assim tem algum tipo de treinamento fisico estava pensando em fazer treinos como por exemplo fazer reflexões e focando no pensamento que quer desenvolver estou com um estudo bem interessante este exemplo e superficial mas teria alguma visão para passar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. flexões digo treinamentos fisicos misturando com pensamentos acredito tambem que tanto mais forte nos tornarmos então exeções poderosas em questão de dominio proprio e com o foco no coletivo poderamos ser um pouco melhores para lidarmos com o sistema e focarmos em nossos objetivos

      Excluir
  2. então desenvolvendo a força mental juntamente com a pratica cotidiana e ter mais funções sabermos fazer mais coisas pessoas do meu meio social ja se viram bastante mais seria bem interresante não apenas algo que ensine a pessoa a fazer uma certa pratica mais que esta pessoa pratique com o foco no coletivo e estruture sua mente quando pergunto quero teste em mim mesmo então eduardo se tiver alguma visão sobre

    ResponderExcluir

observar e absorver

Aqui procuramos causar reflexão.